Porto Alegre, quarta-feira, 18 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Estados Unidos

Notícia da edição impressa de 18/03/2020. Alterada em 18/03 às 03h00min

Biden vence primária em Washington e amplia favoritismo

Ex-vice-presidente dos EUA cresceu na briga por indicação democrata à Casa Branca

Ex-vice-presidente dos EUA cresceu na briga por indicação democrata à Casa Branca


MANDEL NGAN/AFP/JC
O ex-vice-presidente Joe Biden foi declarado, nesta terça-feira, vencedor da primária democrata no estado de Washington, uma semana após a votação acontecer. O resultado confirma o favoritismo de Biden na disputa contra o senador progressista Bernie Sanders, no mesmo dia que mais três estados - Flórida, Arizona e Illinois - realizaram as primárias do partido. Ohio também tinha votação marcada para esta terça-feira, mas ela foi adiada por causa do surto do novo coronavírus.
O ex-vice-presidente Joe Biden foi declarado, nesta terça-feira, vencedor da primária democrata no estado de Washington, uma semana após a votação acontecer. O resultado confirma o favoritismo de Biden na disputa contra o senador progressista Bernie Sanders, no mesmo dia que mais três estados - Flórida, Arizona e Illinois - realizaram as primárias do partido. Ohio também tinha votação marcada para esta terça-feira, mas ela foi adiada por causa do surto do novo coronavírus.
A demora para Washington anunciar um vencedor aconteceu em parte porque os eleitores podem votar pelo correio, o que faz os votos demorarem para chegar. Além disso, a disputa foi apertada, o que também atrasou a decisão. Com 95% dos votos apurados até esta terça-feira, Biden foi o escolhido por 37,9% dos eleitores e não pode mais ser alcançado por Sanders, que recebeu 36,4% dos votos.
O resultado é ainda mais importante para Biden, que representa a ala moderada do Partido Democrata, porque as pesquisas realizadas antes da votação no estado de Washington apontavam Sanders na frente.
Na disputa, o ex-vice-presidente na gestão de Barack Obama (2009-2017) tem 43 delegados no estado, contra 41 do senador por Vermont - outros cinco ainda não foram distribuídos -, de acordo com as projeções da agência Associated Press.
Para ser escolhido como o candidato democrata para enfrentar o presidente Donald Trump na eleição de 3 de novembro é preciso ter ao menos 1.991 delegados na convenção da sigla marcada para julho.
Biden também lidera a contagem geral, com 898 contra 745 do rival. Segundo as projeções do site FiveThirtyEight, o ex-vice-presidente tem mais de 99% de chance de ser escolhido como candidato democrata.
O cenário confirma a reviravolta pela qual passou a campanha de Biden, que chegou a ser dado como fora da disputa no início das primárias, após resultados ruins nos três primeiros estados (Iowa, New Hampshire e Nevada). Ele só voltou ao jogo após vencer a disputa na Carolina do Sul, em 29 de fevereiro. Na sequência, recebeu uma série de apoios de ex-pré-candidatos que decidiram abandonar a disputa.