Porto Alegre, quarta-feira, 18 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Saúde

Notícia da edição impressa de 18/03/2020. Alterada em 17/03 às 20h12min

Países do Prosul adotam medidas conjuntas de combate ao coronavírus

Jair Bolsonaro foi o único presidente a não participar da reunião

Jair Bolsonaro foi o único presidente a não participar da reunião


CASA ROSADA/DIVULGAÇÃO/JC
Os países-membros do Fórum para o Progresso e Desenvolvimento da América do Sul (Prosul) adotarão medidas conjuntas de combate à disseminação e aos efeitos do novo coronavírus (Covid-19) pelo continente. Em nota divulgada nesta terça-feira, o Itamaraty informou que entre as medidas estão o compartilhamento de informações de prevenção, facilitação do retorno de cidadãos aos seus países e compras conjuntas de insumos médicos.
Os países-membros do Fórum para o Progresso e Desenvolvimento da América do Sul (Prosul) adotarão medidas conjuntas de combate à disseminação e aos efeitos do novo coronavírus (Covid-19) pelo continente. Em nota divulgada nesta terça-feira, o Itamaraty informou que entre as medidas estão o compartilhamento de informações de prevenção, facilitação do retorno de cidadãos aos seus países e compras conjuntas de insumos médicos.
Os chefes de Estado e representantes do Prosul realizaram videoconferência na segunda-feira para tratar da pandemia do novo coronavírus. Participaram Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai e Peru, além da Bolívia como país observador. O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, foi o único que não participou do encontro. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, representou o País.
Na reunião, os países do Prosul analisaram as consequências sanitárias, sociais e econômicas da pandemia, seu impacto no contexto regional e os esforços que a luta contra o Covid-19 exigirá a médio e longo prazos. De acordo com o comunicado, as medidas deverão concentrar-se no bem-estar dos cidadãos.
Os países do bloco concordaram em compartilhar diagnósticos confiáveis e informações epidemiológicas sobre o vírus e trocar informações "sobre experiências, campanhas e materiais que contribuam para a criação de políticas públicas e a adoção de medidas de mitigação para impedir a propagação da epidemia e ajudar a combater notícias falsas e especulações que gerem inquietação social".
As autoridades também facilitarão o trânsito e o retorno de cidadãos a seus países de residência ou origem e trocarão informações sobre medidas com impacto no transporte aéreo, terrestre e marítimo, especialmente sobre a suspensão de voos e/ou restrição de mobilidade das pessoas.
Os líderes também concordaram em evitar que as medidas adotadas possam ter um impacto negativo sobre a livre circulação de bens, especialmente aqueles necessários ou indispensáveis aos cuidados de saúde.
Ainda serão coordenadas, no âmbito da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), as compras conjuntas de insumos médicos e, com os organismos financeiros regionais, como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), medidas de auxílio econômico para enfrentar a crise.