Porto Alegre, quarta-feira, 11 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Saúde

Alterada em 11/03 às 12h41min

Mortalidade na Itália por causa do novo coronavírus é 8 vezes a da Coreia do Sul

Letalidade do coronavírus está relacionada a fatores como faixa etária e sistemas de saúde

Letalidade do coronavírus está relacionada a fatores como faixa etária e sistemas de saúde


ANDREAS SOLARO/AFP/JC
Dois dos países com mais casos de coronavírus depois da China apresentam taxas de mortalidade discrepantes. A letalidade da doença na Itália é mais de 8 vezes a observada na Coreia do Sul. Enquanto no país europeu já morreram 6,21% das pessoas confirmadas com a Covid-19, no asiático a porcentagem de óbitos foi de 0,7%, segundo dados divulgados pelos departamentos de saúde dos dois países.
Dois dos países com mais casos de coronavírus depois da China apresentam taxas de mortalidade discrepantes. A letalidade da doença na Itália é mais de 8 vezes a observada na Coreia do Sul. Enquanto no país europeu já morreram 6,21% das pessoas confirmadas com a Covid-19, no asiático a porcentagem de óbitos foi de 0,7%, segundo dados divulgados pelos departamentos de saúde dos dois países.
Fatores como a quantidade de idosos no país - a Itália tem uma população mais envelhecida do que a Coreia - e a estrutura dos sistemas de identificação de novos casos e assistência aos doentes ajudam a explicar a diferença entre os dois países. A disparidade indica que a taxa real de mortalidade pelo novo coronavírus pode ser menor do que a que vem sendo observada até o momento, de 3,5%. Desde os primeiros relatos, em dezembro, a Covid-19 contaminou 117.356 pessoas em 107 países, com 4.252 mortes.
Na Coreia, o governo fez testagem em massa da população, identificando e somando casos assintomáticos. Após o país identificar o crescimento de casos relacionados a um culto religioso, pelo menos 200 mil pessoas foram testadas. "A vantagem de um teste em massa é que ele identifica tanto os casos graves quanto os brandos e até os assintomáticos. Isso aumenta muito o número de identificações. Mas se é feito somente o teste em quem busca o atendimento médico, o dado pode ficar enviesado, porque provavelmente só vai identificar os casos médios e graves, justamente onde a chance de evoluir a óbito é maior", explica Marcelo Gomes, pesquisador em saúde pública do Programa de Computação Científica da Fiocruz. Estima-se que isso é que tenha ocorrido na Itália.
A Coreia começou a ter registros pouco depois do início da epidemia na China. O primeiro relato de um caso foi feito em 20 de janeiro. O pico de casos novos em 24 horas ocorreu em 29 de fevereiro - com 909 registros - e nesta terça-feira, 10, foi de apenas 131. Assim como ocorre com a China, os novos casos vêm caindo e a epidemia começa a se estabilizar. Até terça, eram 7.513 casos confirmados e 54 mortes.
Na Itália, o surto teve início no carnaval e o número de casos subiu rapidamente - e continua em alta. Até terça eram 10.149 casos com 631 mortes. "O perfil etário da população é importante porque a letalidade é significativamente mais alta na população idosa", explica Gomes.
"Uma hipótese é que só tenhamos o diagnóstico das pessoas que vão procurar o hospital e que já estão mal, o que diminui o denominador de quantos casos de fato existem. A taxa de mortalidade fica alta, porque o número de casos é só dos mais severos", afirma a pesquisadora brasileira Rafaela da Rosa Ribeiro, que está colaborando com o grupo de Elisa Vicenzi, especialista em vírus do Ospedale San Raffaele, hospital universitário de Milão.
Segundo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), entre chineses infectados acima de 80 anos, a mortalidade pela doença chegou a 21,9%. Na Itália, 22% da população tem mais de 65 anos - o país tem a população mais velha da União Europeia. Na Coreia, a faixa etária responde por 14%.
A estimativa é que quando a situação se estabilizar no mundo, talvez a taxa de mortalidade fique mais parecida com a apresentada na Coreia - próxima de 1%. "Em novos surtos, é normal começar detectando os casos mais graves, então no início a taxa de letalidade é mais alta. Mas os dados indicam que a Covid-19 vai acabar se mostrando uma gripe forte, com mortalidade maior que a da H1N1, que foi de 0,5%", diz Gomes.
Como na Itália o número de casos cresceu muito rapidamente, houve sobrecarga do sistema, o que também pode estar afetando a taxa de letalidade. Nos casos mais graves, o tempo de internação pode ser de quatro a seis semanas, de modo que não há vaga para todos que chegam doentes. Relatos da imprensa local apontam para a falta de respiradores.

Lições para o Brasil

"A impressão que se tem é de que a vigilância da Coreia talvez estivesse mais bem preparada. E se tem um bom atendimento para as pessoas infectadas, a mortalidade é menor. Na Itália, como já nos primeiros casos identificados houve mortes, isso sugere que a vigilância tem baixa sensibilidade", diz o epidemiologista Eliseu Waldman, da Faculdade de Saúde Pública da USP. Para ele, o sistema de saúde italiano entrou em colapso, e parte dessa alta mortalidade pode se dever às condições adversas no atendimento.
Os pesquisadores opinam ainda que os dois quadros trazem algumas pistas sobre o que precisa ser feito. Uma vigilância atenta, que monitore o vírus desde o início, pode ajudar a impedir a transmissão, mas é recomendável adotar medidas que diminuam aglomerações. "Mesmo que não se consiga completamente bloquear a transmissão ou impedir a invasão no Brasil, é fundamental que se consiga diminuir a velocidade de transmissão. Isso tem impacto na habilidade do sistema de saúde de tratar de forma adequada os pacientes e evitar os óbitos", complementa Gomes.