Porto Alegre, quarta-feira, 11 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

olimpíadas

11/03/2020 - 09h23min. Alterada em 11/03 às 09h24min

Ministra japonesa diz que adiamento ou cancelamento da Olimpíada é 'inconcebível'

O surto global do novo coronavírus, denominado Covid-19, continua dando dor de cabeça para as autoridades japonesas a poucos meses dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio-2020. Nesta quarta-feira (11), Seiko Hashimoto, ministra olímpica do Japão, afirmou que é "inconcebível" adiar ou cancelar os eventos, no momento em que a epidemia da doença provoca enormes dúvidas sobre a realização deles este ano.
O surto global do novo coronavírus, denominado Covid-19, continua dando dor de cabeça para as autoridades japonesas a poucos meses dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio-2020. Nesta quarta-feira (11), Seiko Hashimoto, ministra olímpica do Japão, afirmou que é "inconcebível" adiar ou cancelar os eventos, no momento em que a epidemia da doença provoca enormes dúvidas sobre a realização deles este ano.
"Do ponto de vista dos atletas, que são os principais atores dos Jogos de Tóquio, quando se preparam para este evento que acontece uma vez a cada quatro anos (...) é inconcebível cancelar ou adiar", afirmou Seiko Hashimoto em uma reunião no Parlamento Japonês, em Tóquio.
> Acesse tudo sobre o coronavírus, o que é, contágio, prevenção e situação pelo mundo e no Brasil
A ministra reconheceu, porém, que o "Comitê Olímpico Internacional (COI) deve tomar a decisão final sobre os Jogos". "Pensamos que é importante que o governo ofereça uma informação correta para que o COI possa tomar a decisão apropriada", completou. Essa definição tem como data máxima o final de maio, já que a Olimpíada começa no dia 24 de julho.
A rápida propagação do Covid-19, que contaminou mais de 560 pessoas e já provocou 12 mortes no Japão, criou um clima de dúvida no momento em que a preparação da Olimpíada está na fase final. As declarações de Hashimoto foram feitas depois que um integrante do Comitê Organizador dos Jogos, Haruyuki Takahashi, afirmou que um adiamento de um ou dois anos era uma possibilidade.
Os organizadores mantêm a preparação do evento como estava previsto inicialmente, afirmou Hashimoto. O comitê de Tóquio-2020 exigiu "explicações" a Takahashi, que em um comunicado oficial explicou que "expressou de forma infeliz sua opinião pessoal em resposta a uma questão hipotética".
"Como o presidente do COI, Thomas Bach, declarou recentemente, nem o COI nem o Comitê Organizador planejam adiar ou cancelar os Jogos de Tóquio-2020. Continuamos com os preparativos para a abertura na data inicialmente prevista", insistiu a organização.