Porto Alegre, terça-feira, 10 de março de 2020.
Dia do Telefone.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Afeganistão

10/03/2020 - 16h22min. Alterada em 10/03 às 16h22min

Abdullah e Ghani se declaram presidentes no Afeganistão

Posição de Abdullah em tomar posse ameaça gerar mais violência no país

Posição de Abdullah em tomar posse ameaça gerar mais violência no país


WAKIL KOHSAR/AFP/JC
O presidente em exercício do Afeganistão e seu principal oponente político assumiram o cargo de presidente em cerimônias separadas na segunda-feira (9), transformando em caos os planos de negociações com o Talibã e criando um dilema para os Estados Unidos.
O presidente em exercício do Afeganistão e seu principal oponente político assumiram o cargo de presidente em cerimônias separadas na segunda-feira (9), transformando em caos os planos de negociações com o Talibã e criando um dilema para os Estados Unidos.
O acordo de paz entre EUA e Talibã, assinado há pouco mais de uma semana, foi apresentado como um esforço de Washington para acabar com 18 anos de guerra no Afeganistão e visto por muitos afegãos como a melhor oportunidade para pôr fim a combates implacáveis.
Mas a disputa acirrada entre o presidente Ashraf Ghani, que foi declarado vencedor das eleições de setembro do ano passado, e seu rival Abdullah Abdullah, que acusou fraude na votação, ameaça destruir os próximos passos e até gerar mais violência.
Os rivais realizaram cerimônias de posse simultâneas, cada uma cheia de seus apoiadores - Ghani no palácio presidencial e Abdullah ao lado. Enquanto Ghani terminava seu discurso de agradecimento, ouviram-se rajadas de foguetes perto do palácio. "Vimos ataques maiores. Não tenha medo de apenas duas explosões", disse Ghani, levantando as mãos e pedindo calma aos participantes. Os autores do ataque não foram identificados.
Em sinal de apoio internacional a Ghani, sua cerimônia - exibida na TV estatal - contou com a presença do enviado de paz de Washington, Zalmay Khalilzad, e do general Austin S. Miller, chefe das forças norte-americanas no Afeganistão, além de vários dignitários estrangeiros, incluindo o encarregado de negócios da embaixada dos EUA e Tadamichi Yamamoto, representante pessoal do Secretário-Geral da ONU no Afeganistão.
Na inauguração de Abdullah, exibida na TV privada Tolo, estavam presentes os chamados "comandantes da jihadi", que participaram da brutal guerra civil dos anos 1990 e se aliaram à coalizão liderada pelos EUA para derrubar o Talibã em 2001. Ambos os candidatos - mas particularmente Abdullah - são apoiados por "senhores da guerra" com milícias fortemente armadas.
Nas cerimônias simultâneas, os dois falaram sobre o plano de paz. Abdullah disse que não tinha condições prévias para negociações e prometeu que sua equipe seria inclusiva, mas não deu mais detalhes. Ghani disse acreditar que outra promessa de redução da violência viria do Talibã em troca da libertação de seus prisioneiros.
O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahed, disse, no domingo (8), que o Talibã ainda estava comprometido com o acordo, mas que as cerimônias simultâneas "não são boas para a nação afegã".