Porto Alegre, segunda-feira, 09 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Holanda

09/03/2020 - 17h52min. Alterada em 09/03 às 17h52min

Amsterdã dá início à julgamento de suspeitos pela queda do voo MH17

Voo MH17 foi abatido sobre a Ucrânia em 17 de julho de 2014, matando 298 pessoas

Voo MH17 foi abatido sobre a Ucrânia em 17 de julho de 2014, matando 298 pessoas


BULENT KILIC/AFP/JC
O julgamento dos quatro suspeitos de causar a explosão do voo MH17 e posterior queda sobre a Ucrânia em 17 de julho de 2014, matando as 298 pessoas a bordo - sendo 196 holandeses -, começou nesta segunda-feira (9) na Holanda, com a ausência dos acusados.
O julgamento dos quatro suspeitos de causar a explosão do voo MH17 e posterior queda sobre a Ucrânia em 17 de julho de 2014, matando as 298 pessoas a bordo - sendo 196 holandeses -, começou nesta segunda-feira (9) na Holanda, com a ausência dos acusados.
O juiz Hendrik Steenhuis declarou aberta a audiência no tribunal de Schiphol, nos subúrbios de Amsterdã, perto do aeroporto de onde descolou o Boeing 777 da Malaysia Airlines, que tinha como destino Kuala Lumpur, na Malásia, antes de ser atingido por um míssil Buk. Um pequeno número de familiares das vítimas esteve no tribunal e outros assistiram à audiência por meio de videoconferência.
Os russos Serguei Dubinski, Igor Guirkin e Oleg Pulatov e o ucraniano Leonid Kharchenko, quatro líderes separatistas pró-Rússia do Leste da Ucrânia, são acusados de assassinato e de terem derrubado deliberadamente o avião civil. Eles não compareceram a esta primeira audiência. Cinco juízes - três que seguirão no caso e dois suplentes - entraram silenciosamente em um tribunal lotado.
Steenhuis disse que o arquivo criminal do caso contém 36 mil páginas e "uma enorme quantidade de arquivos multimídia". Para o magistrado, examinar as evidências "será um período muito doloroso e emocional", pois "há muitas vítimas" e "muitos familiares" que sofrem pelo ocorrido.