Porto Alegre, segunda-feira, 09 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Sudão

09/03/2020 - 17h34min. Alterada em 09/03 às 17h37min

Premiê sudanês sobrevive a tentativa de assassinato

Imagens mostravam um comboio com vários SUVs brancos danificados e um carro destruído

Imagens mostravam um comboio com vários SUVs brancos danificados e um carro destruído


ASHRAF SHAZLY/AFP/JC
O primeiro-ministro do Sudão, Abdalla Hamdok, foi alvo de uma tentativa de assassinato nesta segunda-feira (9), segundo informações divulgadas pela televisão estatal do país. Um carro-bomba teria explodido próximo ao comboio em que Hamdok estava se movendo, mas ele não foi atingido.
O primeiro-ministro do Sudão, Abdalla Hamdok, foi alvo de uma tentativa de assassinato nesta segunda-feira (9), segundo informações divulgadas pela televisão estatal do país. Um carro-bomba teria explodido próximo ao comboio em que Hamdok estava se movendo, mas ele não foi atingido.
O governador de Cartum, Ahmed Abdun, disse à rádio sudanesa que é a primeira tentativa de assassinato de um alto funcionário do país e anunciou a prisão de suspeitos no incidente, sem fornecer mais detalhes. Ainda não houve reivindicação da responsabilidade.
Imagens transmitidas em canais regionais de TV e mídias sociais mostraram um comboio que incluía vários SUVs brancos danificados e um carro destruído. O ataque ocorreu perto da entrada da ponte Kober, que liga Cartum Norte ao centro da cidade.
Hamdok assumiu em agosto do ano passado como premiê de um governo de transição, resultado de negociações entre movimentos pró-democracia e militares para reformar as instituições do país. O acordo pôs fim a cerca de oito meses de um protesto inédito que provocou a queda do presidente Omar al-Bashir, após 30 anos no poder.