Porto Alegre, segunda-feira, 09 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Saúde

Notícia da edição impressa de 09/03/2020. Alterada em 08/03 às 19h39min

Coronavírus: Itália coloca um quarto da população em quarentena

Jogos do Campeonato Italiano de futebol estão ocorrendo sem público em razão da epidemia

Jogos do Campeonato Italiano de futebol estão ocorrendo sem público em razão da epidemia


VINCENZO PINTO/AFP/JC
O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, anunciou, na madrugada de ontem, uma ampla quarentena para conter o novo coronavírus, impondo restrições de movimento sobre cerca de um quarto da população do país para conter o surto da doença. Conte firmou um decreto depois da meia-noite (hora local) que restringia o movimento de pessoas na região da Lombardia e em ao menos 14 províncias, nas quais vivem mais de 16 milhões de pessoas. O país tem cerca de 60 milhões de habitantes.
O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, anunciou, na madrugada de ontem, uma ampla quarentena para conter o novo coronavírus, impondo restrições de movimento sobre cerca de um quarto da população do país para conter o surto da doença. Conte firmou um decreto depois da meia-noite (hora local) que restringia o movimento de pessoas na região da Lombardia e em ao menos 14 províncias, nas quais vivem mais de 16 milhões de pessoas. O país tem cerca de 60 milhões de habitantes.
As medidas devem vigorar até 3 de abril. Conte informou que haverá proibição para entrada e saída da área e também restrição a movimentações dentro desse território. A Itália é o epicentro do surto da doença na Europa e enfrenta uma possível recessão econômica. Veneza cancelou seu movimentado Carnaval, e vários governos desaconselharam viagens ao país. As taxas de ocupação em Veneza caíram para patamares próximos de 1% a 2%.
No sábado, a Itália registrou seu maior aumento diário nos casos de coronavírus desde o início do surto no Norte do país, em 21 de fevereiro. A Agência de Defesa Civil informou em seu relatório diário sobre 1.247 novos infectados registrados nas últimas 24 horas, elevando o total a 5.883. Outras 36 pessoas morreram após contrair o vírus, elevando esse total para 233 no país.
Enquanto isso, no Vaticano, em uma medida extraordinária voltada a desencorajar aglomerações de pessoas por causa do surto de coronavírus, o Papa Francisco não apareceu na sacada na Praça São Pedro para fazer sua bênção dominical e declarações. Em vez disso, um vídeo com o Papa fazendo uma leitura de comentários e também orações foi divulgado.
Os sinos da Basílica de São Pedro soaram, e o pontífice apareceu por alguns segundos para saudar as pessoas que estavam na praça, mas não fez comentários da sacada. A medida - que já havia sido anunciada no sábado - teve como objetivo evitar grandes aglomerações na praça, que, em dias de tempo bom, pode receber até 40 mil pessoas. O Papa esteve gripado nos últimos dias, mas o Vaticano descartou infecção pelo coronavírus.