Porto Alegre, quarta-feira, 04 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Saúde

04/03/2020 - 12h57min. Alterada em 04/03 às 12h57min

Coronavírus faz Itália fechar escolas e universidades até meados de março

Ministério da Saúde italiano já contabiliza 79 mortes, 2.263 e 160 pessoas curadas da doença

Ministério da Saúde italiano já contabiliza 79 mortes, 2.263 e 160 pessoas curadas da doença


MIGUEL MEDINA/AFP/JC
O governo da Itália anunciou nesta quarta-feira (4) que vai fechar todas as suas escolas e universidades a partir de quinta-feira (5). Estratégia de contenção do coronavírus, a medida se estenderá até meados de março. Ao todo, o Ministério da Saúde já contabiliza 79 mortes, 2.263 e 160 pessoas curadas da doença no país.
O governo da Itália anunciou nesta quarta-feira (4) que vai fechar todas as suas escolas e universidades a partir de quinta-feira (5). Estratégia de contenção do coronavírus, a medida se estenderá até meados de março. Ao todo, o Ministério da Saúde já contabiliza 79 mortes, 2.263 e 160 pessoas curadas da doença no país.
A decisão foi tomada pelo chefe de Governo Giuseppe Conte, durante um conselho de ministros em Roma. No sábado (29), escolas e universidades do norte italiano já haviam suspendido as aulas pela segunda semana consecutiva, enquanto as regiões de Lombardia, Veneto e Emilia Romana respondiam por 90% dos casos confirmados até então no país.
Nas últimas semanas, também houve suspensão de missas, jogos de futebol, e a etapa de abertura do MotoGP. Na segunda-feira, o governo italiano inclusive lançou um pacote econômico de 3,6 bilhões de euros para ajudar nas ações contra o coronavírus no país, que tem o maior surto da doença em todo o continente europeu.