Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Oriente Médio

- Publicada em 18h53min, 29/02/2020. Atualizada em 18h54min, 29/02/2020.

EUA assinam acordo de paz com Taleban e prometem retirar tropas do Afeganistão em 14 meses

Os Estados Unidos e o Taleban assinaram neste sábado (29) um acordo de paz histórico, para tentar colocar fim a um conflito de quase 20 anos.
Os Estados Unidos e o Taleban assinaram neste sábado (29) um acordo de paz histórico, para tentar colocar fim a um conflito de quase 20 anos.
Em um evento em Doha, no Qatar, o negociador americano, Zalmay Khalilzad, e o mulá Abdul Ghani Baradar assinaram o texto, e em seguida, deram um aperto de mãos.
Pelo acerto, o Taleban se compromete a parar de fazer ataques, a não apoiar grupos terroristas e a negociar com o governo afegão. Em troca, todas as tropas dos EUA e da coalizão da Otan deixarão o país até abril de 2021 e o Taleban ficará livre de sanções, caso os termos acordados sejam cumpridos.
Os governos dos EUA e do Afeganistão prometeram libertar cerca de 5.000 prisioneiros ligados ao Taleban. Em troca, o grupo soltará cerca de 1.000 presos.
A retirada de tropas será feita de forma gradual ao longo de meses, e o número de militares estrangeiros no Afeganistão será reduzido de cerca de 14 mil para 8.600 até julho. No entanto, caso haja o retorno da violência no pais, o processo poderá ser revertido.
O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, discursou no evento e disse que o Taleban se comprometeu a cortar seus laços com a Al Qaeda, a combater o Estado Islâmico e a manter os progressos obtidos pelas mulheres desde 2001.
O Taleban defende uma visão radical de preceitos islâmicos. Quando esteve no governo, as mulheres não podiam estudar ou trabalhar fora de casa e tinham de usar burcas para sair às ruas. Há temores de que, com a volta do grupo à política, as mulheres possam voltar a ser subjugadas.
O mulá Abdul Ghani Baradar firmou o acordo em nome do Taleban e disse que o grupo está comprometido com os termos. Ele convocou os políticos e outros grupos afegãos a construir um regime islâmico para o país e pediu que Paquistão, Indonésia, China e Rússia participem da reconstrução nacional.
Os EUA também se comprometeram a não se envolver em questões domésticas do Afeganistão e a enviar recursos para equipar as forças de segurança afegãs. Há também a promessa de retirar as sanções contra o Taleban até agosto.
É a primeira vez que EUA e Taleban fazem um evento público conjunto para anunciar medidas de paz. Os dois grupos realizaram negociações secretas ao longo de anos, que foram sendo reveladas aos poucos a partir de 2018.
Em setembro, Trump cancelou uma reunião secreta que faria com o Taleban em solo americano porque os insurgentes seguiram fazendo atentados enquanto as conversas eram realizadas.
Algumas horas depois da assinatura do acordo, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse em entrevista coletiva na Casa Branca que pretende encontrar pessoalmente com líderes do Taleban "em um futuro não muito distante" e que espera que eles ajudem a matar terroristas.
Trump também afirmou acreditar que o acordo de paz terá sucesso, mas alertou que os militares dos EUA poderão voltar ao Afeganistão, de forma muito rápida e com mais intensidade do que nunca, caso os termos sejam desrespeitados.
Apesar do tom histórico do evento, líderes dos EUA e da Otan mostraram comedimento ao estimar as chances de sucesso do acordo. Pompeo disse que o Taleban mostrou boa vontade ao respeitar uma trégua de uma semana que antecedeu o acordo, mas que o monitoramento do cumprimento dos termos será firme.
A Otan deu apoio ao acordo de paz, mas lembrou que o processo não será simples. "Temos que estar preparados para reveses e incidentes", disse Jens Stoltenberg, secretário-geral da entidade, que une forças militares de vários países.
O ponto mais sensível do acordo é que as conversas entre o Taleban, o governo afegão e outras forças do país ainda precisam ser iniciadas. O Taleban até então se recusava a falar com o governo, pois o considerava um marionete dos EUA.
Agora, as negociações internas estão programadas para começar em 10 de março.
As Forças Armadas dos EUA invadiram o Afeganistão em 2001, após o 11 de Setembro, e removeram o Taleban do governo. O grupo foi acusado de dar abrigo à rede Al Qaeda, que realizou os atentados.
Houve eleições a partir de 2004, mas queixas de fraude, corrupção e brigas afetaram a credibilidade do governo. Enquanto isso, o Taleban foi ressurgindo e fazendo ataques, ao lado de outros grupos rebeldes.
Caso funcione, o acordo será um trunfo para o presidente Donald Trump, que busca o segundo mandato na eleição de novembro. Ele prometeu diversas vezes acabar com o que chama de "guerras sem fim". O líder americano reclama de que os soldados fazem pouco mais do que um trabalho de polícia e de que a guerra demanda muito dinheiro.
Para os afegãos, há temores de que, sem a presença militar estrangeira, etnias e regiões rivais entrem em conflito e isso gere uma guerra civil como a dos anos 1990.
A democracia afegã enfrenta questionamentos internos. O presidente, Ashraf Ghani, foi declarado reeleito em 18 de fevereiro, cinco meses após a realização da eleição, processo que atrasou devido à revisão de votos. Com a demora, opositores ameaçaram rejeitar o resultado e formar um governo paralelo.
Comentários CORRIGIR TEXTO