Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Estados Unidos

Notícia da edição impressa de 14/02/2020. Alterada em 13/02 às 20h44min

Senado aprova medida para impedir ação militar de Trump no Irã

O Senado dos Estados Unidos aprovou nesta quinta-feira (13) uma resolução que impede o presidente Donald Trump de empreender ações militares contra o Irã sem autorização prévia do Congresso. A resolução foi aprovada em uma votação bipartidária com 55 votos a favor e 45 contra. Oito membros do partido de Trump votaram contrariando a orientação da sigla.
O Senado dos Estados Unidos aprovou nesta quinta-feira (13) uma resolução que impede o presidente Donald Trump de empreender ações militares contra o Irã sem autorização prévia do Congresso. A resolução foi aprovada em uma votação bipartidária com 55 votos a favor e 45 contra. Oito membros do partido de Trump votaram contrariando a orientação da sigla.
O texto, aprovado seis semanas após forças norte-americanas assassinarem o general iraniano Qasem Soleimani sem autorização do Congresso, determina que possíveis tropas dos EUA que estejam no Irã sejam removidas, a menos que o Legislativo declare guerra ou passe uma autorização específica para o uso do Exército.
Uma versão semelhante da medida foi aprovada pela Câmara dos Representantes, de maioria democrata, no mês passado, mas há diferenças suficientes entre a versão atual e a anterior para que ela passe pela Câmara novamente antes que possa ser enviada para a mesa de Trump.
O presidente prometeu vetar a medida e não se espera que haja apoio no Senado para reunir a maioria de dois terços para anular o veto. Os republicanos ocupam 53 dos 100 assentos da Casa e raramente votam contra o presidente.
Para os opositores, a aprovação da resolução manda um sinal errado a Teerã. "Precisamos enviar uma mensagem de firmeza, e não de fraqueza", disse o senador Jim Risch, presidente republicano do Comitê de Relações Exteriores do Senado.
O senador democrata Tim Kaine, principal articulador da resolução, contestou. Ele afirmou que a votação mostrou força e reflete a importância do Congresso em avaliar a decisão de enviar tropas norte-americanas para conflitos.
A resolução foi formulada após um ataque com drone dos EUA matar o comandante da Guarda Revolucionária do Irã no aeroporto de Bagdá, em janeiro. Em resposta, Teerã lançou mísseis contra bases que abrigam forças norte-americanas no Iraque, e os países ficaram à beira de uma guerra.