Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020.
Dia do Atleta Profissional.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 10/02 às 15h22min

Trump propõe orçamento de US$ 4,8 trilhões, com cortes em programas sociais

A proposta reduz gastos fora do setor de defesa em 5%, a US$ 590 bilhões

A proposta reduz gastos fora do setor de defesa em 5%, a US$ 590 bilhões


JIM WATSON/AFP/JC
O presidente dos EUA, Donald Trump, apresentou nesta segunda-feira um plano orçamentário no valor de US$ 4,8 trilhões para o ano fiscal de 2021, propondo acentuados cortes em programas sociais e ajuda estrangeira e mais recursos para defesa e veteranos.
O presidente dos EUA, Donald Trump, apresentou nesta segunda-feira um plano orçamentário no valor de US$ 4,8 trilhões para o ano fiscal de 2021, propondo acentuados cortes em programas sociais e ajuda estrangeira e mais recursos para defesa e veteranos.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
A proposta eleva os gastos militares em 0,3%, a US$ 740,5 bilhões, no ano fiscal com início no dia 1º de outubro. Ao mesmo tempo, reduz gastos fora do setor de defesa em 5%, a US$ 590 bilhões, abaixo do nível acertado entre o Congresso e o presidente num acordo orçamentário de dois anos fechado em meados de 2019.
É improvável, no entanto, que o plano vire lei, uma vez que os democratas controlam a Câmara dos Representantes e projetos de lei de gastos exigem apoio bipartidário no Senado. No domingo (9), os democratas sinalizaram se opor ao plano orçamentário, que foi descrito pelo deputado John Yarmuth (Kentucky), presidente do Comitê de Orçamento da casa, como "destruidor e irracional".
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia