Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de fevereiro de 2020.
Dia do Gráfico.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Edição impressa de 07/02/2020. Alterada em 06/02 às 20h37min

Coronavírus: China tem primeiro dia com redução de casos

Mais de 500 mortes já foram confirmadas desde o início do surto

Mais de 500 mortes já foram confirmadas desde o início do surto


/AFP/JC
A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que, embora ainda não haja evidências de que o surto de coronavírus chegou ao pico, esta quinta-feira foi o primeiro dia em que houve uma redução de casos na China em relação ao dia anterior. São 565 mortes e cerca de 28,2 mil infectados.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que, embora ainda não haja evidências de que o surto de coronavírus chegou ao pico, esta quinta-feira foi o primeiro dia em que houve uma redução de casos na China em relação ao dia anterior. São 565 mortes e cerca de 28,2 mil infectados.
Representantes da entidade disseram que a situação está estabilizada fora da província chinesa de Hubei. Apesar disso, a OMS planeja realizar uma reunião de dois dias, a partir da próxima terça-feira, em Genebra, na Suíça, com o objetivo de discutir medidas para lidar com o surto. Entre os tópicos a serem discutidos está o desenvolvimento de formas de tratamento e de vacinas eficientes contra o vírus. Segundo a entidade, não existe cura eficaz no momento.
Fora da China, há 225 casos confirmados da doença, em 24 países, com uma morte reportada nas Filipinas. Segundo o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, não é possível inferir que a China tem escondido o quadro real da epidemia.
Ghebreyesus salientou que a prioridade, a curto prazo, é desenvolver soluções para o tratamento do coronavírus. "É por isso que, em 11 e 12 de fevereiro, estamos convocando um fórum global de pesquisa e inovação para identificar prioridades e coordenar o esforço internacional de pesquisa", afirmou.
No Brasil, o Ministério da Saúde divulgou, nesta quinta-feira, as informações repassadas pelas secretarias estaduais sobre a situação dos casos suspeitos. Agora, nove se enquadram na atual definição de caso suspeito para nCoV-2019, uma redução de dois casos em relação ao informe do dia anterior. As ocorrências suspeitas são em Minas Gerais, no Rio de Janeiro e em Santa Catarina (um caso cada); e em São Paulo e no Rio Grande do Sul (três casos cada). 

FAB espera por aval chinês para resgatar brasileiros

O Ministério da Defesa informou, nesta quinta-feira, que os aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) destacados para repatriar os brasileiros que estão em Wuhan já estão em Varsóvia, na Polônia, onde estava prevista uma das escalas.

As duas aeronaves VC-2 aguardam a alocação de um horário para pouso do controle aéreo chinês. De acordo com o ministério, a espera é devido ao alto fluxo de tráfego aéreo no país e das missões internacionais de repatriação, que estão saindo e chegando da região afetada.

A previsão é que as aeronaves brasileiras aterrissem na China no final desta sexta-feira. Já a chegada ao Brasil deve acontecer no sábado.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia