Porto Alegre, quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Direitos Humanos

- Publicada em 18h48min, 04/02/2020. Atualizada em 18h48min, 04/02/2020.

Membros de comissão de direitos humanos são impedidos de embarcar a Caracas

Caso ocorresse, essa seria a primeira visita de uma comissão da CIDH ao país desde 2002

Caso ocorresse, essa seria a primeira visita de uma comissão da CIDH ao país desde 2002


FEDERICO PARRA/AFP/JC
Folhapress
Uma delegação da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) foi impedida, na manhã desta terça (4), de embarcar em um avião da Copa Airlines no Panamá com destino a Caracas.
Uma delegação da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) foi impedida, na manhã desta terça (4), de embarcar em um avião da Copa Airlines no Panamá com destino a Caracas.
De acordo com o órgão, braço para direitos humanos da OEA (Organização dos Estados Americanos), funcionários da companhia panamenha disseram aos três integrantes do grupo - o uruguaio Edison Lanza, a panamenha Esmeralda Arosemena de Troitiño e o brasileiro Paulo Abrão - ter recebido um aviso de que, caso os membros da CIDH estivessem a bordo, o avião seria impedido de aterrissar.
Procurada, a Copa Airlines não respondeu ao questionamento feito pela reportagem sobre o ocorrido até a publicação deste texto. Segundo a agência de notícias Reuters, a empresa se recusou a comentar o caso.
A Copa é uma das poucas companhias internacionais que ainda realizam voos a Caracas. Nos últimos anos, a American Airlines, a Air France e empresas brasileiras, como a Gol, deixaram de voar à capital venezuelana.
A Comissão Presidencial para os Direitos Humanos, entidade criada pela Assembleia Nacional da Venezuela, de maioria opositora e liderada por Juan Guaidó, informou que, com o impedimento, os delegados da CIDH irão a Cúcuta, na fronteira da Venezuela com a Colômbia, para encontros com familiares de vítimas e representantes políticos e religiosos da oposição.
"Estamos indo de Caracas para lá ainda hoje. Assim, eles terão toda a informação que pudermosentregar", afirmou Humberto Prado, presidente da entidade venezuelana.
De acordo com o órgão, que planejava uma visita de cinco dias a Caracas, esse é um plano B acertado previamente com a Assembleia Nacional, uma vez que o ditador Nicolás Maduro já tinha advertido que a missão estava proibida de entrar no país.
Caso ocorresse, essa seria a primeira visita de uma comissão da CIDH ao país desde 2002.
A delegação divulgou a programação que tentaria realizar na capital venezuelana. A agenda contemplava reuniões com parlamentares opositores, familiares de civis e de militares que estão presos por motivos políticos, representantes da sociedade civil e líderes religiosos.
Também estava prevista a visita a uma penitenciária, embora para isso tampouco os membros do órgão tivessem autorização.
No Twitter, o chanceler Jorge Arreaza alertou, na última sexta-feira (31/1), que "o governo da Venezuela não convidou nem aceitou a visita da CIDH".
Diosdado Cabello, homem-forte do regime venezuelano, afirmou que a delegação do órgão baseado em Washington estava buscando um "espetáculo midiático, pois já sabia que seria proibida de entrar".
Comentários CORRIGIR TEXTO