Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Nações Unidas

Alterada em 23/01 às 03h00min

ONU aponta relação de príncipe saudita com invasão de celular de fundador da Amazon

O telefone do fundador da Amazon e dono do jornal norte-americano Washington Post, Jeff Bezos, foi hackeado depois de ter recebido um arquivo de uma conta usada pelo príncipe saudita Mohammed bin Salman, disseram ontem especialistas da Organização das Nações Unidas (ONU). Os dois especialistas pediram uma "investigação imediata" do caso pelos EUA. O arquivo recebido por Bezos foi um vídeo no formato MP4 enviado da conta de WhatsApp de Mohammed bin Salman em maio de 2018, depois que os dois trocaram números de telefone em um jantar na Califórnia. O Washington Post criticou duramente o governo saudita após o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado saudita na Turquia, também em maio de 2018.
O telefone do fundador da Amazon e dono do jornal norte-americano Washington Post, Jeff Bezos, foi hackeado depois de ter recebido um arquivo de uma conta usada pelo príncipe saudita Mohammed bin Salman, disseram ontem especialistas da Organização das Nações Unidas (ONU). Os dois especialistas pediram uma "investigação imediata" do caso pelos EUA. O arquivo recebido por Bezos foi um vídeo no formato MP4 enviado da conta de WhatsApp de Mohammed bin Salman em maio de 2018, depois que os dois trocaram números de telefone em um jantar na Califórnia. O Washington Post criticou duramente o governo saudita após o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado saudita na Turquia, também em maio de 2018.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia