Porto Alegre, quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Paraguai

- Publicada em 02h21min, 22/01/2020. Atualizada em 03h00min, 22/01/2020.

Seis fugitivos de presídio paraguaio são recapturados

Apenas seis detentos dos 76 que fugiram da Penitenciária Regional de Pedro Juan Caballero, no Paraguai, foram recapturados. Um deles foi detido na segunda-feira, já em território brasileiro, pela Polícia Militar do Mato Grosso do Sul.
Apenas seis detentos dos 76 que fugiram da Penitenciária Regional de Pedro Juan Caballero, no Paraguai, foram recapturados. Um deles foi detido na segunda-feira, já em território brasileiro, pela Polícia Militar do Mato Grosso do Sul.
As três últimas detenções ocorreram na noite do mesmo dia, na cidade de Arroyito, a cerca de 150 quilômetros de Pedro Juan Caballero. Os três fugitivos capturados são José Enrique Ullon Duarte, Ronald Francisco Britez López e Orlando Manuel Torres Vera, paraguaios que, segundo suspeita do Ministério do Interior, integram célula do Primeiro Comando da Capital (PCC) no país.
Conforme a Força-Tarefa Conjunta, unidade das Forças Armadas paraguaias que conta também com integrantes da Polícia Nacional e da Secretaria Nacional Antidrogas nacional, os três foram detidos enquanto caminhavam pelo acostamento de uma rodovia. As roupas "precárias" e a atitude suspeita chamou a atenção dos agentes da Força-Tarefa, que montou barreiras na região para tentar recapturar os 76 fugitivos.
O brasileiro detido na manhã de ontem também foi abordado em situação semelhante. Inicialmente, ele se apresentou como Eduardo Alves da Cunha - contra quem não haveria denúncias ou mandado em aberto no Brasil - mas, segundo o Ministério do Interior apurou, seu nome verdadeiro é Luis Alves Cruz.
Os outros dois fugitivos já detidos são Sabio Figueredo, localizado em uma residência próxima à penitenciária, e Charli Martínez, que, de acordo com o jornal paraguaio ABC Color, não chegou à rua, tendo sido apanhado no interior do túnel que os detentos cavaram para "supostamente" escapar. Supostamente porque as próprias autoridades paraguaias suspeitam de que parte do grupo que fugiu deixou o presídio pela porta da frente, com a anuência de agentes penitenciários.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO