Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

estados unidos

13/01/2020 - 10h43min. Alterada em 13/01 às 10h43min

Líder democrata enviará nesta segunda artigos do impeachment de Trump ao Senado

Pelosy disse que vai reunir seus correligionários amanhã para definição de calendário

Pelosy disse que vai reunir seus correligionários amanhã para definição de calendário


ALEX WONG/AFP/JC
A líder do Partido Democrata no Congresso dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, disse que vai enviar nesta segunda-feira (13) os artigos para o impeachment do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. "Pedi ao presidente do Comitê de Justiça, Jerry Nadler, que estivesse preparado para levar ao Plenário uma resolução para transmitir os artigos de impeachment ao Senado", escreveu Pelosi em uma carta aos deputados.
A líder do Partido Democrata no Congresso dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, disse que vai enviar nesta segunda-feira (13) os artigos para o impeachment do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. "Pedi ao presidente do Comitê de Justiça, Jerry Nadler, que estivesse preparado para levar ao Plenário uma resolução para transmitir os artigos de impeachment ao Senado", escreveu Pelosi em uma carta aos deputados.
Os chamados "artigos do impeachment" são os crimes pelos quais Trump foi denunciado pela Câmara - abuso de poder político e obstrução do Congresso. Ambos os artigos foram aprovados pelos deputados em dezembro e agora serão analisados pelos senadores. Nancy Pelosi disse que tem "provas suficientes" para o impeachment do presidente Donald Trump, na véspera de uma semana crucial antes da abertura no Senado do julgamento do processo de destituição do chefe de Estado.
"Acreditamos que há provas suficientes para destituir o presidente", disse a congressista da Califórnia à rede de televisão ABC. A Câmara responsabilizou "o presidente de pedir a um governo estrangeiro que intervenha nas eleições de 2020 por seu próprio interesse pessoal e político", escreveu Nancy Pelosi na acusação formal.
A líder democrata na Câmara confirmou que reunirá seus correligionários na terça-feira (14) para definir o calendário. A oposição democrata acusa o presidente de ter incorrido em abuso de poder, ao pedir à Ucrânia para investigar o ex-vice-presidente Joe Biden, um possível adversário do presidente nas próximas eleições de novembro.
O processo de impeachment tem poucas chances de prosperar no Senado, uma vez que os republicanos são a maioria na casa legislativa. "Confiamos no impeachment. E acreditamos que há provas suficientes para destituí-lo", reforçou Pelosi. "Todos os senadores agora se deparam com uma opção: ser leais ao presidente ou à Constituição. Ninguém está acima da lei, nem mesmo o presidente", destacou. O líder do governo no Senado, o republicano Mitch McConnell, já disse que o processo tem poucas chances de prosperar, ainda mais em um ano eleitoral.
Congressistas republicanos e democratas enfrentam outra questão importante: o depoimento de John Bolton, ex-assessor de Segurança Nacional de Trump. Bolton disse que está disposto a testemunhar no julgamento de Trump, sob a condição de ser convocado pelo Senado.
Trump afirmou na sexta-feira (10) que poderia impedir que um de seus ex-conselheiros testemunhasse no Senado usando seus poderes presidenciais. Pelosi, por sua vez, acusou McConnell de desconsiderar seus pedidos de um "julgamento justo", incluindo o compromisso de permitir que envolvidos testemunhassem.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia