Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Oriente Médio

04/01/2020 - 11h51min. Alterada em 04/01 às 11h51min

Milhares de pessoas participam do funeral de general iraniano

Cerimônia fúnebre é acompanhada por milhares de pessoas em Bagdá

Cerimônia fúnebre é acompanhada por milhares de pessoas em Bagdá


ATTA KENARE/AFP/JC
Milhares de pessoas participam neste sábado (4) em Bagdá, no Iraque, do início das cerimônias fúnebres de Qassem Soleimani com gritos de guerra e palavras de ordem de "morte à América". O general iraniano morreu nessa sexta-feira (3), alvo de um ataque aéreo dos Estados Unidos.
Milhares de pessoas participam neste sábado (4) em Bagdá, no Iraque, do início das cerimônias fúnebres de Qassem Soleimani com gritos de guerra e palavras de ordem de "morte à América". O general iraniano morreu nessa sexta-feira (3), alvo de um ataque aéreo dos Estados Unidos.
A ação norte-americana levou a uma escalada de retórica e tensão entre Teerã e Washington.
Um dia depois do ataque norte-americano, milhares de pessoas estão reunidas em Khadhimiya, norte da capital iraquiana, num famoso santuário xiita do país, para participar das cerimônias fúnebres.
Várias autoridades iraquianas, incluindo o primeiro-ministro demissionário, Adel Abdel Mahdi, que anunciou recentemente a saída do cargo após vários meses de protestos violentos no Iraque que levaram à morte de centenas de manifestantes.
Soleimani era o comandante da Força Quds, uma brigada de elite da Guarda Revolucionária Islâmica. O líder supremo aiatolá Ali Khamenei advertiu que os Estados Unidos irão enfrentar séria retaliação.
As tensões estão crescendo no Iraque entre as forças americanas e grupos de militantes apoiados pelo Irã. O governo americano planeja enviar cerca de 3 mil soldados adicionais ao Oriente Médio, em resposta a recentes incidentes.
Neste domingo (5), o Parlamento iraquiano vai realizar uma reunião extraordinária para debater a situação no país após o ataque de sexta-feira. Os parlamentares poderão condenar a presença norte-americana no país. Washington já anunciou que planeja enviar mais 3.500 soldados para a região, além dos 5.200 militares que já se encontra em território iraquiano.
O presidente Donald Trump fez um pronunciamento na noite dessa sexta-feira em que disse que o ataque dos Estados Unidos foi uma ação para parar e não para começar uma guerra.
Durante o pronunciamento, Trump classificou Soleimani como"o terrorista número 1 do mundo" e disse que o iraniano estava planejando ataques terroristas contra diplomatas e militares norte-americanos. "Sobre nossa política contra terrorista que ameaçam ou pretendem ameaçar qualquer americano, nós vamos encontrá-lo e eliminá-lo", disse o presidente.
Trump responsabilizou o general iraniano pelos ataques a alvos dos EUA no Iraque, incluindo ataques a mísseis e o ataque à embaixada em Bagdá. "Soleimani perpetuou atos de terrorismo para desestabilizar o Oriente Médio pelos últimos 20 anos".
O presidente disse que o ataque que resultou na morte de Soleimani deveria ter sido feito há muito tempo. "Muitas vidas teriam sido salvas. Recentemente Soleimani liderou a repressão brutal contra protestos no Irã em que mais de mil civis inocentes foram torturados e mortos pelo governo errado."
Agência Brasil
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia