Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

América Latina

04/01/2020 - 11h20min. Alterada em 04/01 às 11h22min

Igreja é incendiada no primeiro protesto do ano no Chile

Templo construído em 1876 era administrado pela polícia chilena

Templo construído em 1876 era administrado pela polícia chilena


CLAUDIO REYES/AFP/JC
Uma igreja destinada aos serviços religiosos da polícia chilena foi incendiada nesta sexta-feira (3) durante o primeiro protesto do ano no Chile para exigir reformas sociais.
Uma igreja destinada aos serviços religiosos da polícia chilena foi incendiada nesta sexta-feira (3) durante o primeiro protesto do ano no Chile para exigir reformas sociais.
Localizada perto da Praça Itália, em Santiago, epicentro da maioria das manifestações que começaram em outubro do ano passado, a igreja de São Francisco de Borja começou a arder após ser atacada por um grupo de homens encapuzados, segundo testemunhas.
Em meio a muita fumaça, os policiais lamentaram o ataque ao templo, que assim como vários edifícios importantes próximos da Praça Itália, também foi destruído pelas chamas surgidas durante os protestos sociais que começaram em 18 de outubro.
Os manifestantes invadiram o templo, construído em 1876 e administrado pela polícia há mais de quatro décadas, e também atearam fogo nos móveis que levaram para a rua. O incêndio no interior da igreja começou poucas horas após o início de uma nova manifestação.
Grupos de homens encapuzados entraram em confronto com a polícia em torno da igreja, enquanto em outros locais os manifestantes protestaram pacificamente por reformas sociais e contra o governo de Sebastián Piñera.
Até esta sexta-feira, os protestos deixaram 29 mortos e obrigaram o governo a convocar um plebiscito para 26 de abril, que será decidido se deve ou não ser alterada a Constituição do país, elaborada durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia