Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de dezembro de 2019.
Dia Nacional do Astrônomo. Dia do Samba. Dia Pan-Americano da Saúde.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

comércio exterior

02/12/2019 - 08h45min. Alterada em 02/12 às 10h25min

Trump anuncia que vai reimpor tarifas ao aço e alumínio de Brasil e Argentina

Presidente disse que Brasil e Argentina vem provocando maciça desvalorização de suas moedas

Presidente disse que Brasil e Argentina vem provocando maciça desvalorização de suas moedas


SAUL LOEB/AFP/JC
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta segunda-feira (2) que vai retomar, de imediato, a imposição de tarifas a importações de aço e alumínio do Brasil e da Argentina, uma vez que ambos os países "vêm promovendo maciça desvalorização" de suas moedas, "o que não é bom" para produtores agrícolas americanos.
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta segunda-feira (2) que vai retomar, de imediato, a imposição de tarifas a importações de aço e alumínio do Brasil e da Argentina, uma vez que ambos os países "vêm promovendo maciça desvalorização" de suas moedas, "o que não é bom" para produtores agrícolas americanos.
Neste contexto, Trump afirmou que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) precisa agir para que muitos países "não tirem mais vantagem" da força do dólar para "desvalorizar ainda mais suas moedas".
"Isso torna muito difícil para nossos fabricantes e produtores agrícolas exportarem seus bens de forma justa", disse Trump, em sua conta oficial no Twitter, apelando mais uma vez ao Fed que reduza taxas de juros e relaxe sua política monetária.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia