Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Chile

Edição impressa de 29/11/2019. Alterada em 29/11 às 03h00min

Deputados chilenos aprovam projeto para rebaixar seus salários

A Câmara dos Deputados do Chile aprovou, na noite de quarta-feira, por unanimidade, o projeto de lei que reduz temporariamente em 50% os rendimentos parlamentares e de outras autoridades, como o presidente, ministros e governadores. A iniciativa, motivada pelos protestos que acontecem no Chile há 40 dias, segue para o Senado.
A Câmara dos Deputados do Chile aprovou, na noite de quarta-feira, por unanimidade, o projeto de lei que reduz temporariamente em 50% os rendimentos parlamentares e de outras autoridades, como o presidente, ministros e governadores. A iniciativa, motivada pelos protestos que acontecem no Chile há 40 dias, segue para o Senado.
O projeto foi apresentado há seis anos pelos deputados Gabriel Boric e Giorgio Jackson. Ele deixa de fora, por enquanto, salários de prefeitos, integrantes do Judiciário e do Ministério Público.
De acordo com o a imprensa chilena, a medida tem caráter temporário e deixa de fora benefícios extras dos parlamentares, como verba de gabinete e outras benesses. Há cerca de um mês, o presidente Sebastián Piñera deu sinal verde para o projeto, como parte das medidas para enfrentar a crise social no país.
Agora, o total dos rendimentos parlamentares, somando salários e benefícios, não poderá ultrapassar 20 salários-mínimos. Por lei, um deputado recebe cerca de 6 milhões de pesos chilenos líquidos (R$ 31,2 mil) por mês. Se aprovado o projeto, o valor cairá à metade (R$ 15,6 mil).
Já em relação aos episódios de violência, a subsecretaria do Interior do Chile informou na manhã desta quinta-feira que houve uma redução nas últimas 24 horas. De acordo com o relatório, entre as 9h da quarta-feira e o mesmo horário desta quinta-feira houve uma queda de 99 para 31 nos eventos graves. Além disso, os policiais feridos recuaram de 109 a 31 na mesma comparação. Sebastián Piñera, contudo, criticou a "delinquência sem limites", que envolveria "o narcotráfico, movimentos anarquistas e muitos outros".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia