Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de novembro de 2019.
Dia Mundial da Televisão. Dia da Homeopatia e Dia do Homeopata.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

América do Sul

Edição impressa de 20/11/2019. Alterada em 20/11 às 09h09min

Argentina pede discrição ao Brasil sobre voo SP-Malvinas

Frequência do voo obrigará o visitante a passar ao menos uma semana em Stanley, a capital e única cidade das Falklands

Frequência do voo obrigará o visitante a passar ao menos uma semana em Stanley, a capital e única cidade das Falklands


DANIEL GARCIA/AFP/JC
O governo argentino pediu que nenhuma autoridade federal brasileira comentasse ou prestigiasse o lançamento de novo voo ligando São Paulo às ilhas Falklands, conhecidas no país vizinho como Malvinas. Segundo apurado pela reportagem da Folhapress, o motivo é o temor de uma crise política decorrente do estabelecimento da rota, que terá duas escalas mensais, uma de ida e outra volta, na cidade argentina de Córdoba. O trajeto será feito pela chilena-brasileira Latam e começa a operar hoje, com um Boeing 767-300ER.
O governo argentino pediu que nenhuma autoridade federal brasileira comentasse ou prestigiasse o lançamento de novo voo ligando São Paulo às ilhas Falklands, conhecidas no país vizinho como Malvinas. Segundo apurado pela reportagem da Folhapress, o motivo é o temor de uma crise política decorrente do estabelecimento da rota, que terá duas escalas mensais, uma de ida e outra volta, na cidade argentina de Córdoba. O trajeto será feito pela chilena-brasileira Latam e começa a operar hoje, com um Boeing 767-300ER.
O pedido, informal, chegou por meio de canais diplomáticos e foi aceito pelo Itamaraty. A preocupação de Buenos Aires é que a eventual presença de políticos em eventos relacionados à inauguração do serviço passasse a impressão de que o Brasil endossa a soberania do Reino Unido sobre as ilhas. O Brasil reconhece o pleito argentino sobre o arquipélago e chama as ilhas de Malvinas.
As Falklands foram objeto de uma guerra entre argentinos e britânicos, em 1982. Em decadência política, a ditadura argentina liderada pelo general Leopoldo Galtieri invadiu o arquipélago.
A então primeira-ministra britânica Margaret Thatcher decidiu enviar uma força naval para retomar o território, o que conseguiu 74 dias depois da invasão. Como resultado, morreram 649 argentinos, 255 britânicos e três ilhéus. A ditadura argentina entrou em colapso em seguida.

Na prática, rota é uma ligação disfarçada para as ilhas

Pessoas que acompanharam o caso na diplomacia brasileira dizem que não havia nenhuma perspectiva de tal endosso de políticos ao lançamento ou ao voo em si, o que mostra o quão sensível ainda é a questão das Falklands no vizinho, em especial neste momento - o governo de Mauricio Macri foi derrotado nas urnas pelo peronista Alberto Fernández em outubro. Ao responder ao cumprimento britânico pela vitória, o futuro presidente iniciou seu texto dizendo que não renunciaria ao desejo de governar as ilhas.

A questão é que a rota, na prática, é uma ligação disfarçada entre a Argentina e as ilhas. Não é algo inédito: a Latam opera desde 1999 um voo semelhante, que sai de Punta Arenas (Chile) e faz a mesma escala dupla mensal em Río Gallegos, na Argentina.

À época, houve uma chuva de críticas sobre o que seria um reconhecimento indireto de que as ilhas são britânicas. As Falklands foram incorporadas ao Império Britânico em 1833 e são, hoje, um território ultramarino de Londres. E o são por opção de 99,8% de seus cerca de 3,4 mil habitantes, segundo plebiscito realizado sobre o tema em 2013.

A reivindicação argentina vem do fato de que, antes de 1833, o país foi um dos que disputou a colonização das ilhas - o primeiro assentamento local foi francês, em 1764. O voo inaugurado em 1999 e o novo foram estabelecidos em governos de oposição ao peronismo - Carlos Menem antes e Macri agora -, mas os peronistas dominados pela família Kirchner nada fizeram para suspendê-los.

Além da questão histórica, há interesses econômicos. A prospecção de petróleo está travada devido ao fato de a Argentina reivindicar também as águas territoriais da região.

Hoje, as ilhas são autossuficientes. Têm um Produto Interno Bruto anual de
R$ 540 milhões, oriundos da pesca, da lã de suas 500 mil ovelhas e do turismo, mas o petróleo é o que chama a atenção: as reservas sob o mar estão estimadas em 1 bilhão de barris - hoje, o Brasil todo tem 12 vezes isso.

O voo da Latam sairá duas vezes por mês de São Paulo, uma delas com escala em Córdoba, rumo ao aeródromo de Mount Pleasant. A frequência obrigará o visitante a passar ao menos uma semana em Stanley, a capital e única cidade das Falklands, se quiser pegar o voo de volta na mesma rota.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia