Porto Alegre, sexta-feira, 24 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 24 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Espanha

- Publicada em 02h00min, 11/11/2019. Atualizada em 03h00min, 11/11/2019.

Socialistas vencem com margem menor e veem ultradireita avançar

Nas eleições gerais realizadas na Espanha ontem, a grande novidade é a chegada, desta vez para valer, do Vox, o partido de extrema-direita que promete acabar com o independentismo catalão, a grande dor de cabeça do país no momento. O partido de Santiago Abascal mais que dobrou sua performance anterior, em 28 de abril, passando de 24 para 52 deputados.
Nas eleições gerais realizadas na Espanha ontem, a grande novidade é a chegada, desta vez para valer, do Vox, o partido de extrema-direita que promete acabar com o independentismo catalão, a grande dor de cabeça do país no momento. O partido de Santiago Abascal mais que dobrou sua performance anterior, em 28 de abril, passando de 24 para 52 deputados.
O Partido Socialista (Psoe) do atual premiê Pedro Sánchez foi novamente o mais votado, porém caiu de 123 para 120 assentos no Parlamento. São necessários ao menos 176 para a maioria absoluta - um feito que todos estiveram longe de conseguir.
A incapacidade de formar nos últimos meses um governo de esquerda com o Unidas Podemos, liderado por Pablo Iglesias, deu um tempo valioso à direita de Vox e do Partido Popular (PP), que repetiu como o segunda mais votado. O PP desta vez conseguiu mais 22 assentos e terá 88 deputados. Os prejudicados foram o Cidadãos, de Albert Rivera, que despencou de terceira à sexta força (de 57 a 10 deputados), e o Unidas Podemos, que passou de 33 para 26 assentos.
Comentários CORRIGIR TEXTO