Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Argentina

Edição impressa de 06/11/2019. Alterada em 06/11 às 03h00min

Fernández diz que promoverá políticas progressistas na Argentina

Fernández encontrou-se com o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador

Fernández encontrou-se com o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador


MEXICO'S PRESIDENCY/AFP/JC
O presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, afirmou, após encontro com o líder mexicano, Andrés Manuel López Obrador, na segunda-feira, que os dois concordaram em impulsionar políticas progressistas na América Latina que beneficiem as classes mais pobres. O esquerdista está em sua primeira viagem internacional desde que foi eleito, em 27 de outubro.
O presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, afirmou, após encontro com o líder mexicano, Andrés Manuel López Obrador, na segunda-feira, que os dois concordaram em impulsionar políticas progressistas na América Latina que beneficiem as classes mais pobres. O esquerdista está em sua primeira viagem internacional desde que foi eleito, em 27 de outubro.
A escolha pelo México sinaliza os rumos de sua política externa, já que o presidente mexicano, conhecido como Amlo, é um dos mais importantes expoentes da esquerda no continente. E ele prometeu ajudar a Argentina a superar a crise que o país enfrenta. "Vamos procurar ajudar na aquisição de bens produzidos na Argentina para que o povo, com seu novo governo, possa enfrentar a crise econômica e ter crescimento e bem-estar", disse.
Fernández também comentou os desafios que terá durante seu governo - entre eles, o alto endividamento. Mauricio Macri, que deixa a presidência em dezembro, assumiu uma dívida de US$ 57 bilhões junto ao Fundo Monetário Internacional para contornar a crise.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia