Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de novembro de 2019.
Dia Nacional da Cultura, Dia do Cinema Brasileiro e Dia do Designer.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Irã

Edição impressa de 05/11/2019. Alterada em 05/11 às 03h00min

Irã anuncia violações de acordo nuclear com potências globais

O chefe do programa nuclear iraniano, Ali Akbar Salehi, disse, ontem, que o Irã está trabalhando em um protótipo de centrífuga muito mais rápido do que as permitidas pelo acordo nuclear com potências globais. O comentário de Salehi veio em meio à comemoração do 40º aniversário da tomada da embaixada dos Estados Unidos, em 1979, e do início da crise de reféns que durou 444 dias.
O chefe do programa nuclear iraniano, Ali Akbar Salehi, disse, ontem, que o Irã está trabalhando em um protótipo de centrífuga muito mais rápido do que as permitidas pelo acordo nuclear com potências globais. O comentário de Salehi veio em meio à comemoração do 40º aniversário da tomada da embaixada dos Estados Unidos, em 1979, e do início da crise de reféns que durou 444 dias.
Segundo Salehi, o protótipo é conhecido como IR-9 e seria 50 vezes mais rápido do que o IR-1, centrífuga de primeira geração autorizada pelo acordo. Além disso, o chefe do programa nuclear disse que o Irã está operando agora 60 centrífugas avançadas do tipo IR-6, também em violação ao acordo. O número representa o dobro do que se conhecia anteriormente.
Também ontem, o Departamento do Tesouro dos EUA anunciou a aplicação de sanções com o objetivo de bloquear o fluxo de dinheiro à Equipe Geral das Forças Armadas do Irã (AFGS), apontada como o órgão militar "mais sênior" no país persa, e a nove indivíduos iranianos, sob acusação de agir em nome do líder supremo Ali Khamenei para "oprimir o povo iraniano, exportar terrorismo e fazer avançar políticas desestabilizadoras ao redor do mundo".
"Estes indivíduos estão ligados a um amplo leque de comportamentos malignos pelo regime, incluindo bombardeios às barracas da Marinha dos EUA em Beirute em 1983 e à Associação Mutual Israelita Argentina (Amia) em 1994, bem como tortura, assassinatos extrajudiciais e repressão a civis", afirmou em comunicado o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin.
Como resultado das sanções, "todas as propriedades e os rendimentos em posse dessas pessoas que estejam nos EUA ou em posse ou controle de pessoas nos EUA têm de ser bloqueadas e relatadas".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia