Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 04 de novembro de 2019.
Dia do Inventor.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

04/11/2019 - 08h20min. Alterada em 04/11 às 08h20min

EUA acusam China de imperialismo na disputa por recursos naturais

Os Estados Unidos acusaram nesta segunda (4) a China de imperialismo e intimidação para ficar com os recursos naturais do Sudeste Asiático, numa referência à disputa territorial do Mar do Sul da China que Pequim mantém com vários países da região.
Os Estados Unidos acusaram nesta segunda (4) a China de imperialismo e intimidação para ficar com os recursos naturais do Sudeste Asiático, numa referência à disputa territorial do Mar do Sul da China que Pequim mantém com vários países da região.
"Pequim usou a intimidação para impedir que os países da Asean (Associação das Nações do Sudeste Asiático) explorassem os seus recursos naturais. A região não tem interesse em regressar à era imperial", disse o assistente do presidente Donald Trump em temas de segurança nacional, Robert O'Brien, em Bangcoc, onde é realizada a reunião da Asean.
A China reivindica quase todo o Mar do Sul da China, apesar das reivindicações dos países vizinhos. Nos últimos anos, construiu sete recifes em ilhas artificiais, capazes de receber instalações militares. As novas ilhas ficam próximas de outras ocupadas pelo Vietnã, Filipinas e Taiwan.
Malásia e Brunei são outros territórios que disputam a jurisdição sobre ilhas e recifes, ricos em pesca e potenciais depósitos de combustíveis fósseis.
Na ausência do presidente Trump, O'Brien leu uma declaração, na qual destacou que os EUA e os países do bloco regional "compartilham os mesmos valores" e convidou os seus líderes a visitarem os Estados Unidos para uma reunião, a ser realizada no primeiro trimestre do próximo ano.
Agência Brasil
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia