Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 04 de novembro de 2019.
Dia do Inventor.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Chile

Edição impressa de 04/11/2019. Alterada em 04/11 às 03h00min

Equipe da ONU chega a Santiago para apurar violação de direitos

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) enviou uma delegação ao Chile para monitorar o comportamento das forças de segurança durante a onda de protestos. O órgão é comandado pela ex-presidente chilena Michelle Bachelet.
O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) enviou uma delegação ao Chile para monitorar o comportamento das forças de segurança durante a onda de protestos. O órgão é comandado pela ex-presidente chilena Michelle Bachelet.
Cerca de uma centena de representantes de organizações sociais expuseram suas denúncias a quatro delegadas do ACNUDH. Grupos de povos nativos, estudantes e LGBTs fizeram exposições e entregaram documentos às representantes da ONU. A equipe fica no Chile até 22 de novembro.
"Fizemos uma exposição, inclusive com fotografias de pacientes que perderam a visão ou até mesmo o globo ocular", contou o presidente do Colégio Médico, Enrique Morales. De acordo com ele, nas duas semanas de crise, 157 pessoas foram atendidas com lesões oculares por balas ou bombas. Os números tendem a crescer. "Independentemente da polícia dizer que está tudo bem, temos a certeza, assim como a grande maioria das pessoas que assistiu a essa reunião (com a ACNUDH), que protocolos não estão sendo respeitados", afirmou Morales.
A organização independente Instituto Nacional de Direitos Humanos (INDH) disse, em seu último balanço, que 1.574 pessoas estão internadas por causa de ferimentos em protestos. Foram apresentadas ainda 179 ações judiciais contra agentes do Estado, incluídas 5 por homicídio e 18 por violência sexual. "Em muitas manifestações pacíficas, a polícia usou, por exemplo, balas. É um caso claro de protocolo desrespeitado", disse o diretor do INDH, Sergio Micco.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia