Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 29 de outubro de 2019.
Dia nacional do Livro e Dia mundial de combate ao AVC.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Argentina

Edição impressa de 29/10/2019. Alterada em 29/10 às 03h00min

Alberto Fernández e Mauricio Macri dão início à transição de governo

Fernández foi eleito em primeiro turno, com 48,02% dos votos

Fernández foi eleito em primeiro turno, com 48,02% dos votos


/JUAN MABROMATA/AFP/JC
Horas após vencer, em primeiro turno, a eleição presidencial da Argentina, Alberto Fernández se reuniu, na manhã de ontem, com o presidente Mauricio Macri, na Casa Rosada, para começar o trabalho de transição de governo. Fernández assume a presidência no dia 10 de dezembro.
Horas após vencer, em primeiro turno, a eleição presidencial da Argentina, Alberto Fernández se reuniu, na manhã de ontem, com o presidente Mauricio Macri, na Casa Rosada, para começar o trabalho de transição de governo. Fernández assume a presidência no dia 10 de dezembro.
Nicolás Trotta, um dirigente da equipe de Fernández, afirmou, ao jornal Clarín, que indicará cerca de 30 pessoas de perfil técnico para conhecer os diferentes setores do governo. Ele disse, no entanto, que a responsabilidade pela administração federal até o dia 10 de dezembro é do atual presidente.
Fernández propôs a Macri não falar do passado, mas do futuro, segundo apurou o jornal La Nación. No entanto, eles conversaram sobre o passado recente ao falar das reservas internacionais da Argentina.
À meia-noite de domingo, já com a vitória de Fernández confirmada, o Banco Central da Argentina reduziu o limite de compra de dólares. A medida deveria ter sido tomada há mais tempo, logo após as prévias, teria dito Fernández a Macri, de acordo com o jornal argentino.
De acordo com Fernández, isso custou US$ 20 bilhões - Macri afirmou que metade desse valor era referente à fuga de capitais, e a outra metade, a saques de depósitos.
Durante a comemoração, na noite de domingo, a vice, Cristina Kirchner, mandou um recado a Macri. "Vou pedir, na minha condição de ex-presidente constitucional durante dois mandatos neste país, que, por favor, até o dia 10 de dezembro, como fiz até o dia 9 de dezembro quando foi o meu caso de passar o poder, que tome todas as medidas que puder para melhorar a situação dramática das finanças do país. É sua responsabilidade", afirmou.
Fernández venceu com 48,02% dos votos; Macri teve 40,46%. O resultado garantiu a vitória para o kirchnerista porque, na Argentina, o candidato vence no primeiro turno se obtiver mais do que 45% dos votos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia