Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de outubro de 2019.
Dia do Nordestino e dia Nacional do Combate a Cartéis.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

08/10/2019 - 09h01min. Alterada em 08/10 às 09h01min

Câmara dos EUA intima Pentágono a enviar documentos sobre Trump

Documentos requisitados estão relacionados à conversa com o presidente da Ucrânia

Documentos requisitados estão relacionados à conversa com o presidente da Ucrânia


JIM WATSON/AFP/JC
Deputados democratas, que comandam a investigação sobre o impeachment de Donald Trump, intimaram nesta segunda-feira (7) o Pentágono e a Casa Branca a entregarem documentos relacionados à conversa do americano com o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, no dia 25 de julho. No diálogo, Trump pedia para os ucranianos investigarem Joe Biden, seu maior adversário na corrida pela reeleição.
Deputados democratas, que comandam a investigação sobre o impeachment de Donald Trump, intimaram nesta segunda-feira (7) o Pentágono e a Casa Branca a entregarem documentos relacionados à conversa do americano com o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, no dia 25 de julho. No diálogo, Trump pedia para os ucranianos investigarem Joe Biden, seu maior adversário na corrida pela reeleição.
Os democratas intimaram o secretário de Defesa, Mark Esper, e o diretor de Orçamento da Casa Branca, Russell Vought, para que entreguem documentos até o dia 15. O objetivo é esclarecer as razões por trás da decisão da Casa Branca de suspender a ajuda militar crucial à Ucrânia, que havia sido autorizada pelo Congresso.
Os presidentes dos três comitês da Câmara que lideram a investigação do impeachment buscam informações sobre pressões de Trump sobre Zelenski. Diplomatas americanos também comparecerão ao Congresso nesta semana para prestar depoimentos a portas fechadas.
Entre os que devem depor estão Gordon Sondland, embaixador dos EUA para a União Europeia, que teria se envolvido nos esforços para convencer a Ucrânia a iniciar as investigações, e Masha Yovanovitch, que foi retirada abruptamente de seu posto de embaixadora americana na Ucrânia em maio, depois que assessores e conselheiros de Trump questionaram sua lealdade ao presidente.
A Casa Branca pretende comunicar formalmente à presidente da Câmara dos Deputados, a democrata Nancy Pelosi, que ignorará as exigências de documentos feitas pelos deputados até que a Câmara, de maioria democrata, realize uma votação no plenário para aprovar oficialmente o inquérito de impeachment.
Pelosi diz que uma votação não é necessária, porque não existe nenhuma provisão nas regras da Câmara que exija uma aprovação do plenário sobre o impeachment - embora nas duas últimas vezes, com os ex-presidentes Richard Nixon e Bill Clinton, o impeachment avançou apenas depois de ser aprovado em plenário.
Os democratas, no entanto, garantem que já têm os votos necessários para a aprovação do impeachment. O processo, se aprovado na Câmara por maioria simples de 218 deputados, seguiria para o Senado. Para a destituição de Trump, seria necessário que 20 senadores republicanos mudassem de lado, o que é considerado improvável.
Até agora, apenas três senadores republicanos criticaram publicamente o presidente: Mitt Romney, um desafeto de longa data de Trump, e dois senadores moderados, Susan Collins e Ben Sasse. Outros nomes do partido preferiram não comentar o caso ou encarar como "brincadeira" o pedido de Trump à Ucrânia para investigar Biden.
No fim de semana, Marco Rubio, senador republicano da Flórida, ofereceu sua versão sobre o pedido de Trump para que a China também investigasse seu maior adversário democrata. "Não foi um pedido de verdade", disse Rubio. "Ele só estava testando a imprensa, sabendo que vocês (jornalistas) ficariam indignados." O mesmo argumento foi repetido pelo senador Roy Blunt. "Duvido que ele (Trump) tenha falado sério", disse o republicano, no domingo, ao programa Face the Nation, da rede CBS.
Os democratas, porém, dizem acreditar que mais republicanos possam abandonar o barco à medida que a investigação avance. Os deputados confirmaram a existência de um segundo delator anônimo que estaria disposto a relatar a pressão de Trump sobre a Ucrânia.
No domingo, Mark Zaid, advogado do primeiro denunciante anônimo, anunciou que representava também um segundo informante que daria detalhes em primeira mão sobre o caso. Outro advogado do escritório de Zaid, Andrew Bakaj, sugeriu que o número de denunciantes pode aumentar. 
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia