Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 06 de outubro de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Portugal

Alterada em 06/10 às 21h05min

Pesquisa indica vitória do Partido Socialista em eleições em Portugal

O líder socialista e primeiro-ministro em exercício Antonio Costa assumiu o poder quatro anos atrás

O líder socialista e primeiro-ministro em exercício Antonio Costa assumiu o poder quatro anos atrás


PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP/JC
Pesquisa boca de urna indicou que o Partido Socialista, de centro-esquerda, obteve a maioria dos votos nas eleições legislativas deste domingo em Portugal e deve seguir no governo por mais quatro anos. O levantamento sinalizou, no entanto, que a sigla não deve atingir maioria na Assembleia da República, o Parlamento do país.
Pesquisa boca de urna indicou que o Partido Socialista, de centro-esquerda, obteve a maioria dos votos nas eleições legislativas deste domingo em Portugal e deve seguir no governo por mais quatro anos. O levantamento sinalizou, no entanto, que a sigla não deve atingir maioria na Assembleia da República, o Parlamento do país.
Segundo projeções feitas pela ICS/ISCTE/GfK Metris, divulgada pela rede de televisão SIC, os socialistas ficaram com entre 36% e 40% dos votos. Já o principal partido de oposição, o Social Democrata, tem entre 24% e 28%. O Bloco de Esquerda teria de 9% a 12%, o Partido Comunista Português, de 5% a 7% e os Democratas-Cristãos, entre 2,4 e 5%.
Se confirmados os números, o Partido Socialista precisará buscar alianças com outros partidos de esquerda, como fez no último mandato com o Partido Comunista Português e o radical Bloco de Esquerda.
O líder socialista e primeiro-ministro em exercício Antonio Costa assumiu o poder quatro anos atrás, com a promessa de desfazer as medidas de austeridade introduzidas durante a crise financeira, quando Portugal precisou de um resgate internacional. Agora, seu governo estaria pronto para colher os frutos de uma recuperação econômica nos últimos anos. O crescimento passou de 0,2% em 2014 para 2,1% em 2018 e o desemprego caiu cerca de metade, para 6%, durante esse período.
A pesquisa também apontou um índice de abstenção entre 47,5% e 51,5%, o que seria um recorde no país. Nas eleições de 2015, o porcentual chegou a 44,1%. Outros veículos de imprensa portugueses também destacavam a alta abstenção. A rede RTP citou projeções feitas pela Universidade Católica que indicaram taxa entre 44% e 49%. A estimativa da TVI/Pitagórica sugeria abstenção entre 35,4% e 39,4% e a Aximage estimou para o Correio da Manhã abstenção entre 44% e 48%.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia