Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de outubro de 2019.
Dia do Compositor.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Coreia do Norte

Edição impressa de 07/10/2019. Alterada em 07/10 às 03h00min

Coreia do Norte diz que só voltará a negociar com EUA sem 'política hostil'

O governo da Coreia do Norte afirmou em comunicado ontem que não tem intenção de continuar as negociações nucleares com os Estados Unidos, a menos que Washington abandone sua "política hostil" contra o país. As duas nações se encontraram para a primeira reunião em sete meses em Estocolmo, na Suécia.
O governo da Coreia do Norte afirmou em comunicado ontem que não tem intenção de continuar as negociações nucleares com os Estados Unidos, a menos que Washington abandone sua "política hostil" contra o país. As duas nações se encontraram para a primeira reunião em sete meses em Estocolmo, na Suécia.
O comunicado, divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, foi feito após o principal negociador norte-coreano, Kim Miyong Gil, ter afirmado no sábado que as conversas bilaterais fracassaram "inteiramente porque os EUA não descartaram suas antigas posturas e atitudes". Washington, contudo, diz que os lados tiveram "boas discussões" na Suécia que pretendem continuar em duas semanas.
Kim Miyong Gil disse que a Coreia do Norte não está disposta a realizar "negociações tão repugnantes" como as de Estocolmo até que os Estados Unidos tomem "um passo substancial para fazer uma retirada completa e irreversível da política hostil contra a Coreia do Norte".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia