Porto Alegre, sábado, 25 de julho de 2020.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 25 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

França

- Publicada em 03h19min, 04/10/2019. Atualizada em 03h00min, 04/10/2019.

Quatro policiais são mortos por colega em Paris

Homem teria iniciado o ataque a partir do seu escritório e sido morto no pátio

Homem teria iniciado o ataque a partir do seu escritório e sido morto no pátio


GEOFFROY VAN DER HASSELT/AFP/JC
Um policial francês, que atuava na sede do comando da polícia em Paris, matou quatro colegas a facadas e morreu após ser baleado na cabeça por um dos agentes. As vítimas foram uma mulher e três homens.
Um policial francês, que atuava na sede do comando da polícia em Paris, matou quatro colegas a facadas e morreu após ser baleado na cabeça por um dos agentes. As vítimas foram uma mulher e três homens.
O ataque ocorreu no início da tarde desta quinta-feira, por volta das 13h locais (8h de Brasília). O comando da polícia fica perto da Catedral de Notre-Dame. A região foi isolada e a estação de metrô mais próxima, fechada.
O agressor trabalhava na Diretoria de Inteligência da polícia. Seu nome não foi revelado. Segundo a imprensa francesa, ele seria um homem de 45 anos que atuava há 20 anos no setor administrativo. Ele teria iniciado o ataque a partir do seu escritório e sido morto no pátio.
"De acordo com os elementos que tenho, estamos diante de um drama hierárquico", declarou Christophe Crépin, porta-voz do coletivo Policiais Revoltados, à rádio France Info. Segundo Crépin, ele tinha problemas "com sua chefe de serviço". A mulher seria uma das vítimas mortas. A esposa do agressor foi detida para interrogatório, e uma operação de busca e apreensão foi realizada na residência do casal.
O ataque ocorreu no dia seguinte a um protesto de milhares de policiais em Paris, uma mobilização sem precedentes em quase 20 anos. Os agentes estão preocupados com o aumento de suicídios na instituição e com a reforma previdenciária planejada pelo governo de Macron. Segundo organizações sindicais, 26 mil pessoas participaram da mobilização. Há quase 150 mil policiais na França.
Comentários CORRIGIR TEXTO