Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Israel

- Publicada em 03h16min, 17/09/2019. Atualizada em 03h00min, 17/09/2019.

Netanyahu tem hoje mais um teste nas urnas

Israel realiza hoje a segunda eleição legislativa em cinco meses, com um tom de referendo a favor ou contra o premiê Benjamin Netanyahu, em que a influência dos religiosos pode ser fundamental. No domingo, em sua última cartada para consolidar sua base de eleitores nacionalista e conservadora, anunciou a legalização de um assentamento judaico na Cisjordânia, em uma última tentativa de. No país, o voto não é obrigatório e apenas cerca de 65% dos 6,4 milhões de eleitores parecem dispostos a sair de casa para votar.
Israel realiza hoje a segunda eleição legislativa em cinco meses, com um tom de referendo a favor ou contra o premiê Benjamin Netanyahu, em que a influência dos religiosos pode ser fundamental. No domingo, em sua última cartada para consolidar sua base de eleitores nacionalista e conservadora, anunciou a legalização de um assentamento judaico na Cisjordânia, em uma última tentativa de. No país, o voto não é obrigatório e apenas cerca de 65% dos 6,4 milhões de eleitores parecem dispostos a sair de casa para votar.
Netanyahu tem participado de diversas aparições na mídia para convencer apoiadores a comparecerem na eleição, a fim de impedir a vitória de um novo governo, que, segundo ele, vai ameaçar a segurança nacional. Como ponto central da sua agenda de última hora prometeu estender a soberania de Israel sobre o Vale do Jordão e anexar colônias judaicas.
A região representa 30% da Cisjordânia e é considerada um ponto crucial para que se alcance um acordo de paz. A prática foi evitada por Netanyahu durante seu mandato, que já dura mais de uma década. A situação é diferente agora, na segunda eleição do ano. Em abril, apesar de ter conquistado uma vitória nas urnas, Netanyahu não conseguiu formar uma coalizão para governar.
Segundo o jornal Haaretz, na eleição de hoje, o bloco do primeiro-ministro somaria perto de 56 cadeiras: 32 do Likud (seu partido), 14 dos dois partidos religiosos e dez do Direita (da ex-ministra da Justiça Ayelet Shaked). Seu principal opositor, o ex-chefe do Estado Maior do Exército, general Benny Gantz, líder do Azul e Branco, conseguiria 54 assentos.
A corrida apertada obrigou Netanyahu a adotar um tom populista ao transformar a colônia selvagem de Mevoot Jericó, situada no Vale do Jordão, em uma oficial. Já o premiê disse que o Vale do Jordão é "um muro de defesa que será parte integrante de Israel (...) e que vai assegurar a presença eterna das nossas Forças Armadas".
A Autoridade Nacional Palestina condenou as medidas e pediu à comunidade internacional que faça pressão sobre Israel, um governo que "mina todos os fundamentos do processo político (de paz)".
Comentários CORRIGIR TEXTO