Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Chile

- Publicada em 08h23min, 12/09/2019. Atualizada em 03h00min, 12/09/2019.

Atos lembram 46 anos da ditadura de Pinochet

O Chile recordou ontem os 46 anos do golpe militar que derrubou o presidente Salvador Allende e levou ao poder o ditador Augusto Pinochet. Em Santiago, um grupo de mulheres percorreu centros de tortura do regime militar para lembrar a data. "Decidimos fazer uma procissão pelos centros de tortura, sequestro e violência sexual na ditadura e perderam visibilidade histórica", disse a ex-presa política Beatriz Bataszew, porta-voz do grupo 8M.
O Chile recordou ontem os 46 anos do golpe militar que derrubou o presidente Salvador Allende e levou ao poder o ditador Augusto Pinochet. Em Santiago, um grupo de mulheres percorreu centros de tortura do regime militar para lembrar a data. "Decidimos fazer uma procissão pelos centros de tortura, sequestro e violência sexual na ditadura e perderam visibilidade histórica", disse a ex-presa política Beatriz Bataszew, porta-voz do grupo 8M.
Allende foi eleito em 1970 com uma plataforma socialista, em plena Guerra Fria. Em 1973, as Forças Armadas chilenas lideraram um golpe, bombardeando o Palácio de La Moneda, no centro de Santiago. O presidente cometeu suicídio durante a ofensiva.
Nos dias que se seguiram, a junta militar liderada pelo general Pinochet deu início a uma onda de repressão no país, com prisões, torturas e perseguições a grupos de esquerda. O Estádio Nacional de Santiago foi transformado em um centro de detenção provisória, com os vestiários transformados em celas e palco de execuções sumárias.
A ditadura chilena durou 17 anos, com o apoio de outros regimes do Cone Sul, no que ficou conhecido como Operação Condor. Ao longo do período, estima-se que 3 mil pessoas morreram ou desapareceram nas mãos do Estado.
Recentemente, o presidente Jair Bolsonaro atacou a ex-presidente do Chile Michelle Bachelet e seu pai, Alberto Bachelet - torturado e morto pela ditadura -, e exaltou o golpe no país vizinho. O governante brasileiro afirmou que o Chile "só não é uma Cuba" por causa do golpe militar, que, segundo Bolsonaro, "deu um basta à esquerda" no país, "entre esses comunistas o seu pai, brigadeiro à época".
Aliado de Bolsonaro, o presidente do Chile, Sebastián Piñera, disse que não compartilha da alusão feita à ex-presidente do Chile e, "especialmente, num assunto tão doloroso quanto a morte de seu pai".
 
Comentários CORRIGIR TEXTO