Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 08h38min, 12/09/2019. Atualizada em 03h00min, 12/09/2019.

Homenagens marcam os 18 anos do 11 de Setembro em Nova Iorque

Mais de 3 mil pessoas morreram no desabamento das torres e no Pentágono

Mais de 3 mil pessoas morreram no desabamento das torres e no Pentágono


SPENCER PLATT/AFP/JC
Cerimônias e homenagens marcaram ontem os 18 anos do maior ataque terrorista já sofrido pelos Estados Unidos. Em frente à Casa Branca, em Washington, o presidente norte-americano, Donald Trump, e a primeira-dama, Melania, participam de momento de silêncio em memória às vítimas dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.
Cerimônias e homenagens marcaram ontem os 18 anos do maior ataque terrorista já sofrido pelos Estados Unidos. Em frente à Casa Branca, em Washington, o presidente norte-americano, Donald Trump, e a primeira-dama, Melania, participam de momento de silêncio em memória às vítimas dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.
Na ocasião, 19 terroristas da rede Al-Qaeda, comandada por Osama bin Laden, lançaram dois aviões contra as torres gêmeas do World Trade Center, em Nova Iorque, e um sobre o Pentágono, sede do Departamento da Defesa dos Estados Unidos, no estado da Virgínia. O evento mudou os rumos da história, lançando os EUA em uma guerra contra o terror que dura até hoje.
Durante a cerimônia em Washington, Trump afirmou que será dada continuidade aos ataques contra o Talibã no Afeganistão e prometeu intensificá-los. A declaração foi feita cinco dias após o republicano interromper as negociações de paz com o grupo e trazer a público a intenção de um encontro secreto com alguns de seus membros.
No Marco Zero, local onde ficavam as torres gêmeas e foi construído um memorial em Nova Iorque, parentes das vítimas, policiais, bombeiros e políticos ficaram em silêncio nos horários exatos em que os aviões de passageiros atingiram os prédios. A primeira aeronave, um Boeing 767 da American Airlines com 92 pessoas a bordo, incluindo cinco terroristas, atingiu a torre norte às 8h46min. Às 9h03min, um segundo Boeing 767 da United Airlines, com 65 passageiros e cinco sequestradores, foi jogado contra a torre sul, em um ataque transmitido ao vivo por várias emissoras de televisão. A torre sul caiu às 10h05min. A norte desabou às 10h28min.
Pouco depois, às 9h38min, outro Boeing 767 da American Airlines, que transportava 64 passageiros, incluindo cinco terroristas, se chocou contra a face Oeste do Pentágono.
As consequências do atentado não são apenas geopolíticas. Além dos cerca 3 mil mortos e mais de 6 mil feridos, milhares de pessoas desenvolveram câncer e outros males graves, sobretudo de pulmão, ligados à nuvem tóxica que planou durante semanas sobre o Sul da Ilha de Manhattan.
Os responsáveis pela tragédia ainda não foram julgados. O julgamento dos cinco homens acusados de planejar os ataques, incluindo o autoproclamado mentor do atentado, Khalid Sheikh Mohammed, está marcado somente para janeiro de 2021 na base militar norte-americana de Guantánamo, em Cuba, ano em que os ataques completarão 20 anos.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO