Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Meio Ambiente

- Publicada em 03h19min, 03/09/2019. Atualizada em 03h00min, 03/09/2019.

Uruguai vai restaurar florestas com árvores nativas

Áreas dedicadas à agropecuária, que chegam a ocupar 93% do território do país, acabam por gerar deterioração ambiental

Áreas dedicadas à agropecuária, que chegam a ocupar 93% do território do país, acabam por gerar deterioração ambiental


PABLO PORCIUNCULA BRUNE/AFP/JC
O Uruguai começa, amanhã, a plantar árvores nativas para restaurar florestas. A iniciativa, chamada Plantatón, faz parte da Agenda 2030 e tem o objetivo de promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, combater a desertificação, reverter a degradação de terras e refrear a perda da diversidade biológica. A primeira ação será o plantio de mais de 500 árvores nativas, no município de Artigas, no Norte do país.
O Uruguai começa, amanhã, a plantar árvores nativas para restaurar florestas. A iniciativa, chamada Plantatón, faz parte da Agenda 2030 e tem o objetivo de promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, combater a desertificação, reverter a degradação de terras e refrear a perda da diversidade biológica. A primeira ação será o plantio de mais de 500 árvores nativas, no município de Artigas, no Norte do país.
Idealizado pela Rede Uruguaia de ONGs Ambientais com o apoio do Ministério da Habitação, Planejamento Territorial e Meio Ambiente e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), o Plantatón faz referência a experiências homônimas realizadas em países como El Salvador e Colômbia. O plantio envolve uma articulação com governo e a sociedade civil, com convocatórias feitas em escolas, associações de aposentados, Exército, empresas privadas e públicas. A ideia é estender a experiência para outros pontos do país.
Stefan Liller, representante do Pnud no Uruguai, disse que a iniciativa foi implementada com sucesso em outros países e, em El Salvador, por exemplo, já foram "plantados cerca de 17 milhões de árvores que permitiram recuperar grandes extensões, prevenir inundações e reverter a degradação de bosques". Além de recuperar os bosques, que cobrem aproximadamente 5,2% da superfície do Uruguai, o plantio contribuirá com a recuperação da diversidade biológica de espécies nativas e da qualidade da água.
Em 2005, o Uruguai criou o Sistema Nacional de Áreas Protegidas (Snap). De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, são 16 áreas (311.101 hectares), incluindo terrestres e marinhas, que atingem apenas 0,98% do território.
O modelo econômico uruguaio é baseado no uso intensivo de recursos naturais, com um setor agrícola que gera 78% das exportações. Em 2017, os principais produtos agroindustriais de exportação foram carne bovina (21%), celulose (19%), soja (17%), laticínios (8%) e arroz (6%), de acordo com informações da Uruguai 21, agência de promoção de exportações e investimentos.
As áreas dedicadas à agropecuária, que chegam a ocupar 93% do território do país, de acordo com dados do Pnud, acabam por gerar deterioração ambiental, erosão do solo, perda de ecossistemas e poluição das águas pelo uso de produtos químicos.

País criou Sistema Nacional de Áreas Protegidas

Em 2005, Uruguai criou o Sistema Nacional de Áreas Protegidas (Snap). De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, são 16 áreas (311.101 hectares), incluindo terrestres e marinhas, que atingem apenas 0,98% do território.

O modelo econômico uruguaio é baseado no uso intensivo de recursos naturais, com um setor agrícola que gera 78% das exportações. Em 2017, os principais produtos agroindustriais de exportação foram carne bovina (21%), celulose (19%), soja (17%), laticínios (8%) e arroz (6%), de acordo com informações da Uruguai 21, agência de promoção de exportações e investimentos.

As áreas dedicadas à agropecuária, que chegam a ocupar 93% do território do país, de acordo com dados do Pnud, acabam por gerar deterioração ambiental, erosão do solo, perda de ecossistemas e poluição das águas pelo uso de produtos químicos.

Comentários CORRIGIR TEXTO