Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de agosto de 2019.
Dia Nacional do Combate ao Fumo.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Itália

Edição impressa de 29/08/2019. Alterada em 29/08 às 03h00min

Partidos chegam a acordo, e Giuseppe Conte permanecerá como primeiro-ministro da Itália

A direção do Partido Democrático (PD) da Itália decidiu, ontem, retirar o veto à manutenção de Giuseppe Conte no cargo de primeiro-ministro - uma exigência do Movimento 5 Estrelas (M5S) - e conceder um mandato para que o seu secretário nacional, Nicola Zingaretti, transmita ao presidente do país, Sergio Mattarella, a disposição da sigla de "verificar as condições políticas e programáticas e contribuir para dar vida a um novo governo".
A direção do Partido Democrático (PD) da Itália decidiu, ontem, retirar o veto à manutenção de Giuseppe Conte no cargo de primeiro-ministro - uma exigência do Movimento 5 Estrelas (M5S) - e conceder um mandato para que o seu secretário nacional, Nicola Zingaretti, transmita ao presidente do país, Sergio Mattarella, a disposição da sigla de "verificar as condições políticas e programáticas e contribuir para dar vida a um novo governo".
"Após a temporada consumida pela crise desejada pela Liga, Giuseppe Conte será o candidato indicado pelo 5 Estrelas para a liderança de um governo fundado sobre um plano e um programa diferentes", afirmou Zingaretti aos correligionários. "Reconhecemos, nessa escolha, a decisão autônoma do partido com maioria relativa nesta legislatura. Com essa vontade, o M5S reivindica, e é legítimo, a presidência (do Conselho de Ministros) do governo."
Segundo o secretário nacional do Partido Democrático, o modelo adotado pelo M5S com a Liga até a implosão do governo foi "um erro" e, portanto, não será replicado em uma eventual aliança com o PD. O que haverá, afirmou, é "o retorno a uma prática normal de dividir um programa e de uma visão, um horizonte comum".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia