Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de agosto de 2019.
Dia do Filósofo.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Edição impressa de 16/08/2019. Alterada em 16/08 às 03h00min

Maduro afirma que ex-presidente da Colômbia tem plano para assassiná-lo

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou o ex-chefe de Estado colombiano Álvaro Uribe de articular um plano para matá-lo. "Tomei conhecimento de um plano dirigido por Álvaro Uribe, com a participação do embaixador colombiano nos Estados Unidos, Francisco Santos, de entrada na Venezuela de 32 mercenários para tentar me assassinar e assassinar os líderes da revolução", acusou Maduro.
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou o ex-chefe de Estado colombiano Álvaro Uribe de articular um plano para matá-lo. "Tomei conhecimento de um plano dirigido por Álvaro Uribe, com a participação do embaixador colombiano nos Estados Unidos, Francisco Santos, de entrada na Venezuela de 32 mercenários para tentar me assassinar e assassinar os líderes da revolução", acusou Maduro.
Em 4 de agosto, o presidente venezuelano foi alvo de um atentado frustrado, em que foram usados drones não tripulados durante uma cerimônia militar. Segundo as autoridades locais, foi uma tentativa de ataque dirigida a partir de Washington, com a participação da Colômbia, o que Bogotá desmentiu.
Maduro já denunciou cerca de 30 planos contra ele desde que assumiu a presidência da Venezuela, em 2013. Para o presidente, os colombianos "estão aterrorizados com a revolução chavista bolivariana" e, por isso, planejam o ataque.
A crise política, econômica e social no país agravou-se no fim de janeiro deste ano, depois de o presidente do Parlamento (onde a oposição detém a maioria), Juan Guaidó, ter se proclamado presidente interino da Venezuela. A oposição, que conta com o apoio de mais de 50 países, defende que, para resolver a crise, Maduro precisa ser afastado do poder, com um governo de transição designado, e eleições livres e transparentes devem ser convocadas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia