Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Venezuela

- Publicada em 03h19min, 16/08/2019. Atualizada em 03h00min, 16/08/2019.

Maduro afirma que ex-presidente da Colômbia tem plano para assassiná-lo

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou o ex-chefe de Estado colombiano Álvaro Uribe de articular um plano para matá-lo. "Tomei conhecimento de um plano dirigido por Álvaro Uribe, com a participação do embaixador colombiano nos Estados Unidos, Francisco Santos, de entrada na Venezuela de 32 mercenários para tentar me assassinar e assassinar os líderes da revolução", acusou Maduro.
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou o ex-chefe de Estado colombiano Álvaro Uribe de articular um plano para matá-lo. "Tomei conhecimento de um plano dirigido por Álvaro Uribe, com a participação do embaixador colombiano nos Estados Unidos, Francisco Santos, de entrada na Venezuela de 32 mercenários para tentar me assassinar e assassinar os líderes da revolução", acusou Maduro.
Em 4 de agosto, o presidente venezuelano foi alvo de um atentado frustrado, em que foram usados drones não tripulados durante uma cerimônia militar. Segundo as autoridades locais, foi uma tentativa de ataque dirigida a partir de Washington, com a participação da Colômbia, o que Bogotá desmentiu.
Maduro já denunciou cerca de 30 planos contra ele desde que assumiu a presidência da Venezuela, em 2013. Para o presidente, os colombianos "estão aterrorizados com a revolução chavista bolivariana" e, por isso, planejam o ataque.
A crise política, econômica e social no país agravou-se no fim de janeiro deste ano, depois de o presidente do Parlamento (onde a oposição detém a maioria), Juan Guaidó, ter se proclamado presidente interino da Venezuela. A oposição, que conta com o apoio de mais de 50 países, defende que, para resolver a crise, Maduro precisa ser afastado do poder, com um governo de transição designado, e eleições livres e transparentes devem ser convocadas.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO