Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de agosto de 2019.
Dia do Controle de Poluição Industrial.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Argentina

Edição impressa de 14/08/2019. Alterada em 14/08 às 03h00min

Fernández defende Lula e chama Bolsonaro de racista

Após sair vencedor das eleições primárias, o candidato de oposição à presidência da Argentina, Alberto Fernández, respondeu às críticas feitas contra ele pelo presidente Jair Bolsonaro e chamou o brasileiro de racista e misógino.

Fernández, que tem como vice em sua chapa a ex-mandatária Cristina Kirchner, surpreendeu ao vencer a disputa primária com 47% dos votos, uma vantagem de quase 15 pontos sobre o segundo colocado, o atual presidente do país, Mauricio Macri, que tem apoio declarado de Bolsonaro.

Em entrevista ao programa de TV argentino Corea del Centro, o oposicionista disse que o presidente brasileiro é "um racista, um misógino e um violento que é a favor da tortura". E acrescentou: "Que alguém assim fale mal de mim é algo que eu celebro".

O argentino defendeu, ainda, o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva e afirmou que gostaria de dizer a Bolsonaro que "Lula deveria estar livre para poder concorrer a uma eleição com ele". Fernández citou ainda o ministro da Justiça, Sérgio Moro: "Como posso acreditar na sentença de um juiz que depois vira ministro do candidato que era rival de Lula?".

O argentino visitou no início da julho o ex-presidente brasileiro na prisão em Curitiba. O petista é um aliado histórico dos kirchneristas. 

Na segunda-feira, Bolsonaro lamentou a vitória da oposição nas primárias argentinas e afirmou que o Rio Grande do Sul pode se transformar em Roraima caso Cristina, vice na chapa liderada por Fernadéz, volte ao poder, comparando a Venezuela de Nicolás Maduro à Argentina.

Roraima vem recebendo número crescente de venezuelanos que fogem da crise econômica, que se arrasta desde 2015 e não dá sinais de arrefecimento. Existem mais de 30 mil cidadãos do país vizinho vivendo em Roraima, um estado de 576 mil habitantes. O governo diz que o estado abriga ao menos 40 mil venezuelanos.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia