Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 07 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Argentina

Edição impressa de 07/08/2019. Alterada em 07/08 às 03h00min

Guaidó apoia reeleição de Macri como forma de 'retroceder o populismo' na Argentina

Assim como fizeram os presidentes Jair Bolsonaro (Brasil), Iván Duque (Colômbia) e Sebastián Piñera (Chile), o líder opositor venezuelano Juan Guaidó anunciou, por meio de um vídeo, seu apoio à candidatura do centro-direitista Mauricio Macri na Argentina. O processo eleitoral começa no próximo domingo, com as eleições primárias.
Assim como fizeram os presidentes Jair Bolsonaro (Brasil), Iván Duque (Colômbia) e Sebastián Piñera (Chile), o líder opositor venezuelano Juan Guaidó anunciou, por meio de um vídeo, seu apoio à candidatura do centro-direitista Mauricio Macri na Argentina. O processo eleitoral começa no próximo domingo, com as eleições primárias.
Guaidó disse que sentia como uma responsabilidade sua "dizer que se cada um dos argentinos sente que a aliança governista Juntos por el Cambio (liderada por Macri) representa uma forma de fazer retroceder o populismo, essa forma de fazer política que nos fez tanto dano e que arruinou a Venezuela, um dos países mais prósperos da América Latina, então devem se pronunciar juntos em favor de quem defende a liberdade e a democracia". E terminou dizendo: "Muita sorte, Mauricio!".
Em maio, foi a vez de Bolsonaro criticar a possibilidade de a ex-presidente Cristina Kirchner voltar ao poder, desta vez como candidata a vice de Alberto Fernández. "A nossa querida Argentina não pode sofrer um retrocesso. Mais importante do que buscarmos uma solução para a Venezuela é buscarmos maneiras de que a nossa Argentina não volte para as mãos de políticos que eram muito amigos de petistas", disse. Ele ainda pediu aos argentinos que "votassem com a razão, e não com a emoção".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia