Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 07 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Edição impressa de 07/08/2019. Alterada em 07/08 às 03h00min

Trump congela bens do governo Maduro nos EUA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou decreto na noite de segunda-feira que congela todos os bens e proíbe transações com o regime de Nicolás Maduro, a menos que estejam especificamente isentas. O movimento marca uma escalada significativa das tensões entre Trump e o presidente da Venezuela.
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou decreto na noite de segunda-feira que congela todos os bens e proíbe transações com o regime de Nicolás Maduro, a menos que estejam especificamente isentas. O movimento marca uma escalada significativa das tensões entre Trump e o presidente da Venezuela.
"Todas as propriedades e interesses em propriedade do governo da Venezuela que estão nos Estados Unidos (...) estão bloqueados e não podem ser transferidos, pagos, exportados, retirados ou negociados de outra forma", diz o decreto. De acordo com o documento, a proibição aos norte-americanos para que façam negócios com o governo venezuelano já está em vigor.
O texto pontua, ainda, que o bloqueio ocorre "à luz da contínua usurpação do poder por Nicolás Maduro e de pessoas ligadas a ele, bem como dos abusos dos direitos humanos, incluindo detenções arbitrárias ou ilegais; detenção de cidadãos venezuelanos, interferência na liberdade de expressão, incluindo membros da mídia, e tentativas contínuas de minar o presidente interino Juan Guaidó e o exercício da autoridade legítima da Assembleia Nacional Venezuelana".
O decreto representa novos esforços dos EUA para remover Maduro do poder da Venezuela desde que o governo Trump reconheceu Guaidó como o presidente interino do país sul-americano, em janeiro. Sanções anteriores aplicadas pelos EUA tiveram como alvo a indústria petrolífera da Venezuela, principalmente a estatal PdVSA.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia