Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Porto Rico

Edição impressa de 01/08/2019. Alterada em 01/08 às 03h00min

Após confirmar renúncia, governador de Porto Rico indica sucessor

O governador de Porto Rico, Ricardo Rosselló, que deixará o cargo nos próximos dias, nomeou ontem seu possível sucessor. O indicado foi Pedro Pierluisi, ex-representante de Porto Rico no Congresso norte-americano.
O governador de Porto Rico, Ricardo Rosselló, que deixará o cargo nos próximos dias, nomeou ontem seu possível sucessor. O indicado foi Pedro Pierluisi, ex-representante de Porto Rico no Congresso norte-americano.
Pierluisi deve servir no cargo de secretário de Estado, o que o posiciona para assumir como governador da ilha assim que Rosselló sair efetivamente, amanhã. Contudo, ele só será elegível para a sucessão se os legisladores porto-riquenhos aprovarem sua indicação em sessão marcada para hoje. Caso aprovado, Pierluisi governará o território interinamente até que novas eleições sejam realizadas, em novembro de 2020, junto ao pleito presidencial norte-americano.
"Ponderei múltiplas opções para exercer este cargo e a enorme responsabilidade que ele acarreta. O momento histórico exige uma pessoa capaz de restabelecer relações com todos os setores, em nível local e nacional", disse Rosselló, de 40 anos, em uma rede social.
Porto Rico, com 3,2 milhões de habitantes, é um território dos EUA no Caribe e, embora tenha representante no Congresso em Washington, não vota na Câmara dos Deputados. Pierluisi, um advogado corporativo que trabalha para o escritório de advocacia de Washington O'Neill & Borges, é filiado ao Partido Novo Progressista (PNP), que defende a anexação da ilha como o 51º estado dos Estados Unidos.
O próximo líder terá o desafio de tirar os porto-riquenhos de uma crise misturada com recessão econômica. O território enfrentou o furacão Maria em 2017, que deixou mais de 4 mil mortos, meses após ter entrado com pedido de falência.
A sucessão de Rosselló, que estava em seu primeiro mandato e anunciou, em 24 de julho, que deixaria o cargo, tornou-se complicada depois que manifestantes invadiram as ruas contra a secretária de Justiça Wanda Vázquez, que seria sua substituta.
Os protestos pedindo a saída de Rosselló começaram quando um pequeno veículo de comunicação local, o Centro de Jornalismo Investigativo, divulgou, em 13 de julho, um chat no Telegram do qual participavam o governador e 11 homens de seu entorno. Por ali, trocaram mensagens ofensivas sobre mulheres e homossexuais, bem como deboches às vítimas do furacão Maria. Rosselló fez piada sobre os cadáveres que se amontoavam nos necrotérios.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia