Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de julho de 2019.
Dia do Comerciante .

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

África

Edição impressa de 16/07/2019. Alterada em 16/07 às 03h00min

Ebola chega a uma das maiores cidades do Congo

Foi registrado, no domingo, o primeiro caso de ebola em Goma, uma das maiores cidades da República Democrática do Congo. A informação foi divulgada ontem pelo Ministério da Saúde do país.
Foi registrado, no domingo, o primeiro caso de ebola em Goma, uma das maiores cidades da República Democrática do Congo. A informação foi divulgada ontem pelo Ministério da Saúde do país.
O município costeiro tem mais de 1 milhão de habitantes e fica próximo à fronteira com Ruanda. A Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou que há grande preocupação com a possibilidade de que o vírus possa se espalhar rapidamente, já que a área é densamente povoada. O paciente é um homem que chegou de ônibus a Goma com outros 18 passageiros e o motorista procedentes de Butembo, um dos principais focos da doença, na província de Kivu Norte.
A OMS identificou 60 contatos do paciente com outras pessoas, incluindo os que ele teve com os passageiros e o motorista. Metade já foi vacinada, e o risco de disseminação pela cidade é baixo. O indivíduo foi enviado de volta a Butembo para tratamento.
"O caso em Goma pode ser um divisor de águas nesta epidemia", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. "(Goma) É uma porta para a região e o mundo."
Goma é a maior cidade afetada pelo atual surto da doença no país, que começou em agosto do ano passado. O governo local vem se preparando para a chegada do ebola há cerca de um ano, montando estações de lavagem de mãos e certificando-se de que os motoristas de mototáxi não compartilhem os capacetes. Esta é a segunda maior epidemia de ebola na história, depois da que matou quase 11 mil pessoas no Oeste da África (Guiné, Libéria, Serra Leoa) em 2013-2014.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia