Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Edição impressa de 11/07/2019. Alterada em 11/07 às 03h00min

Problemas de relacionamento causam a maioria dos suicídios nos EUA

A maioria dos suicídios cometidos nos Estados Unidos nas duas últimas décadas tem a arma de fogo como método e problemas de relacionamento como principal motivador. De acordo com relatório do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, a dificuldade de se relacionar com outras pessoas foi apontada como causa em 42% dos episódios de 1999 a 2017.
A maioria dos suicídios cometidos nos Estados Unidos nas duas últimas décadas tem a arma de fogo como método e problemas de relacionamento como principal motivador. De acordo com relatório do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, a dificuldade de se relacionar com outras pessoas foi apontada como causa em 42% dos episódios de 1999 a 2017.
Crises do passado ou que eclodiram duas semanas antes de uma pessoa decidir se matar somam 29% dos casos, enquanto 28% estão relacionados ao uso de determinadas substâncias, como drogas ilícitas, remédios e álcool, e 16%, a problemas financeiros, especialmente aqueles causados pelo desemprego. Os pesquisadores alertam para o fato de que várias circunstâncias não conhecidas ou descritas podem contribuir para o suicídio. Ponderam, no entanto, que, apesar de distúrbios mentais serem automaticamente relacionados a esse tipo de morte, mais da metade das pessoas que se suicidaram nos EUA (54%) nos últimos 18 anos não tinha transtornos diagnosticados.
Entre os norte-americanos considerados mentalmente saudáveis, 55% usaram armas para cometer suicídio. Entre os que têm um distúrbio mental detectado, 41% utilizaram esse método. Sufocamento e envenenamento são as outras práticas mais recorrentes nos dois grupos, liderados por homens - que, em números absolutos, se matam mais que as mulheres no país. A pesquisa mostra que 84% dos suicídios são cometidos por eles, e 16%, por mulheres, quando se trata do nicho que não tem um transtorno mental conhecido. Já entre aqueles que foram diagnosticados, 69% são homens, e 31%, mulheres.
Há pelo menos uma década o suicídio está entre as dez principais causas de morte nos EUA, e, de 1999 a 2017, a taxa aumentou 33%. É o maior patamar da história desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia