Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de julho de 2019.
Dia do Padeiro.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Irã

Edição impressa de 08/07/2019. Alterada em 08/07 às 03h00min

Irã confirma aumento de enriquecimento de urânio

Autoridades esperam que sejam tomadas medidas para 'proteger Teerã'

Autoridades esperam que sejam tomadas medidas para 'proteger Teerã'


/IRANIAN PRESIDENCY/AFP/JC
O Irã anunciou ontem que aumentará os níveis de enriquecimento de urânio além dos limites permitidos pelo acordo nuclear de 2015, na segunda violação ao tratado anunciada pelo país em menos de uma semana. A poucas horas do final de um prazo estabelecido pelo acordo, as autoridades do país confirmaram o enriquecimento além do limite de 3,67% de material físsil, o que pode eventualmente possibilitar que Teerã acumule urânio altamente enriquecido em quantidade suficiente para desenvolver uma ogiva nuclear.
O Irã anunciou ontem que aumentará os níveis de enriquecimento de urânio além dos limites permitidos pelo acordo nuclear de 2015, na segunda violação ao tratado anunciada pelo país em menos de uma semana. A poucas horas do final de um prazo estabelecido pelo acordo, as autoridades do país confirmaram o enriquecimento além do limite de 3,67% de material físsil, o que pode eventualmente possibilitar que Teerã acumule urânio altamente enriquecido em quantidade suficiente para desenvolver uma ogiva nuclear.
As autoridades iranianas disseram que reduzirão seu nível de comprometimento com o acordo a cada 60 dias, a não ser que os países europeus signatários do pacto adotem medidas para proteger Teerã das sanções internacionais impostas pelos Estados Unidos. O acordo nuclear entre o Irã e seis potências mundiais - EUA, Rússia, China, Reino Unido, França e Alemanha - suspendeu a maioria das sanções internacionais contra a República Islâmica em troca de restrições a seu programa nuclear.
No ano passado, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, retirou seu país do tratado e reimpôs pesadas sanções contra a economia iraniana. "Estamos totalmente preparados para enriquecer urânio em qualquer nível e em qualquer quantidade", disse o porta-voz da Organização de Energia Atômica do Irã, Behrouz Kamalvandi. "Em poucas horas, o processo técnico se encerrará, e o enriquecimento acima de 3,67% será iniciado", detalhou.
O ministro iraniano do Exterior, Mohammad Javad Zarif, disse que todas as medidas adotadas pelo país para reduzir seu comprometimento para com o acordo são "reversíveis", caso os europeus cumpram suas obrigações.
O presidente da França, Emmanuel Macron, condenou o anúncio iraniano e o considerou uma violação ao acordo de 2015. Entretanto, fontes do gabinete da presidência afirmam que o país ainda não deverá acionar o mecanismo de resolução de disputas sobre o acordo com o Irã e dará um prazo de uma semana para tentar trazer todas as partes de volta à mesa de negociações. No sábado, Macron disse ao presidente iraniano, Hassan Rohani, que tentará reunir os países que permaneceram no tratado para novos diálogos até o dia 15 de julho.
Em maio, Washington aumentou a pressão sobre Teerã ao ordenar que todos os países suspendessem as importações de petróleo iraniano. Desde então, as tensões têm crescido no Golfo Pérsico.
Os EUA enviaram militares adicionais ao Oriente Médio e caças norte-americanos chegaram a receber o comando de executar ataques aéreos no Irã, após o abatimento de um drone norte-americano - o ataque teria sido cancelado na última hora.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia