Porto Alegre, terça-feira, 28 de julho de 2020.
Dia do Agricultor .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 28 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Líbia

- Publicada em 09h30min, 04/07/2019. Atualizada em 03h00min, 04/07/2019.

Bombardeio contra refugiados deixa ao menos 40 mortos na Líbia

No momento do ataque, havia 120 pessoas no local; mais de 70 ficaram feridas

No momento do ataque, havia 120 pessoas no local; mais de 70 ficaram feridas


MAHMUD TURKIA/AFP/JC
Um ataque aéreo contra um centro de migrantes e refugiados em Tajura, no Leste de Trípoli, deixou ao menos 40 mortos e mais de 70 feridos ontem. Segundo o serviço de socorro, o número de vítimas ainda pode aumentar. No momento do ataque havia 120 pessoas no local.
Um ataque aéreo contra um centro de migrantes e refugiados em Tajura, no Leste de Trípoli, deixou ao menos 40 mortos e mais de 70 feridos ontem. Segundo o serviço de socorro, o número de vítimas ainda pode aumentar. No momento do ataque havia 120 pessoas no local.
Imagens de agências de notícias mostravam corpos espalhados no chão e destroços do hangar que era utilizado como centro de confinamento para migrantes. Equipes de socorro reviram os escombros à procura de sobreviventes, enquanto forças de segurança coordenam o acesso de ambulâncias ao local.
Nos últimos dias, veículos de imprensa favoráveis ao marechal Khalifa Haftar informavam a iminência de "uma série de ataques aéreos" na região de Trípoli e Tajura. Haftar, que domina parte da Líbia com forças rebeldes, realiza uma ofensiva para controlar a capital, sede do Governo de Unidade Nacional (GNA, na sigla em inglês), reconhecido pela comunidade internacional.
O GNA denunciou o ataque como "um crime odioso" de autoria do "criminoso de guerra Khalifa Haftar". Segundo o Governo de Unidade Nacional, trata-se de um ataque "premeditado" e "preciso" das forças do marechal contra o centro de refugiados.
Comentários CORRIGIR TEXTO