Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de julho de 2019.
Dia Mundial da Arquitetura.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Coreia do Norte

Edição impressa de 01/07/2019. Alterada em 01/07 às 03h00min

Kim Jong-un e Trump retomam negociações sobre desnuclearização da Coreia do Norte

Governantes se encontraram na na zona desmilitarizada entre as duas Coreias

Governantes se encontraram na na zona desmilitarizada entre as duas Coreias


BRENDAN SMIALOWSKI / AFP/JC
O presidente norte-americano, Donald Trump, disse que os Estados Unidos e a Coreia do Norte concordaram em designar equipes de negociação para discutir a questão do arsenal nuclear norte-coreano, que começarão a trabalhar nas próximas semanas. A decisão é resultado de uma reunião improvisada entre Trump e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, na zona desmilitarizada entre as duas Coreias. Trump se tornou o primeiro presidente dos EUA a cruzar a fronteira e entrar em território norte-coreano.
O presidente norte-americano, Donald Trump, disse que os Estados Unidos e a Coreia do Norte concordaram em designar equipes de negociação para discutir a questão do arsenal nuclear norte-coreano, que começarão a trabalhar nas próximas semanas. A decisão é resultado de uma reunião improvisada entre Trump e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, na zona desmilitarizada entre as duas Coreias. Trump se tornou o primeiro presidente dos EUA a cruzar a fronteira e entrar em território norte-coreano.
"Atravessar essa linha é uma grande honra", disse Trump ao cruzar a fronteira. Questionado pela imprensa se convidaria Kim para uma visita aos Estados Unidos, o norte-americano respondeu que "convidaria agora".
Os dois líderes e vários membros de seus governos fizeram uma reunião a portas fechadas que durou quase uma hora. Eles saíram do encontro com o compromisso de retomar as negociações nucleares que haviam parado depois que a cúpula de fevereiro, no Vietnã, terminou abruptamente e sem um acordo.
Desde a reunião em Hanoi, os dois lados mostraram que estão profundamente divididos sobre como e quando Pyongyang deveria renunciar ao seu arsenal nuclear. Durante uma coletiva de imprensa conjunta com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, no entanto, Trump rejeitou a ideia de que nada de substancial havia mudado desde o encontro no Vietnã, argumentando que seus esforços desde a eleição resultaram em avanços significativos em direção a um acordo.
A rápida reunião deste domingo mostra uma evolução extraordinária nas negociações, embora seja duvidoso que qualquer dos lados tenha mudado sua posição, disse Kim Chun-sig, ex-autoridade do Ministério de Unificação da Coreia do Sul. "Quando as conversas forem retomadas, ambos vão se deparar com a mesma parede e vão repetir o que foi dito até agora", disse ele.
Pyongyang quer se desarmar em um processo gradual, passo a passo, já que os EUA removem algumas penalidades econômicas no regime carente de dinheiro. Washington, por sua vez, deseja que o Norte concorde com especificidades antes que as sanções sejam relaxadas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia