Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 27 de junho de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Edição impressa de 27/06/2019. Alterada em 27/06 às 03h00min

Procurador prestará depoimento sobre interferência russa em eleições norte-americanas

Durante os quase dois anos de investigação, Mueller nunca se pronunciou publicamente

Durante os quase dois anos de investigação, Mueller nunca se pronunciou publicamente


MANDEL NGAN/AFP/JC
O procurador especial Robert Mueller, que comandou as investigações sobre a interferência russa nas eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2016, concordou em prestar depoimento no Congresso no dia 17 de julho, após intimações feitas por democratas para obrigá-lo a comparecer na sessão. A informação foi divulgada pelos Comitês Judiciário e de Inteligência da Câmara dos Representantes do país.
O procurador especial Robert Mueller, que comandou as investigações sobre a interferência russa nas eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2016, concordou em prestar depoimento no Congresso no dia 17 de julho, após intimações feitas por democratas para obrigá-lo a comparecer na sessão. A informação foi divulgada pelos Comitês Judiciário e de Inteligência da Câmara dos Representantes do país.
Durante os quase dois anos de investigação, Mueller nunca se pronunciou publicamente. A única declaração veio por meio do Departamento de Justiça, no mês passado, quando a apuração sobre o caso já havia chegado ao fim. Ele também notificou os congressistas de que nunca pretendeu dizer mais do que o que está no relatório da investigação, que tem 448 páginas. "Escolhemos essas palavras com cuidado, e a obra fala por si mesma. Eu não daria informações além do que já é público em qualquer audiência perante o Congresso", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia