Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de janeiro de 2020.
Feriado nos EUA: Dia de Martin Luther King.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Egito

Edição impressa de 18/06/2019. Alterada em 18/06 às 03h00min

Ex-presidente egípcio morre durante audiência

Em 2012, Morsi tornou-se o primeiro presidente eleito do país

Em 2012, Morsi tornou-se o primeiro presidente eleito do país


/KHALED DESOUKI/AFP/JC
O ex-presidente egípcio Mohamed Morsi morreu ontem, aos 67 anos, depois de ser vítima de um mal-estar no tribunal. Segundo testemunhas, Morsi falou diante do juiz por 20 minutos e desmaiou. Ele chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu.
O ex-presidente egípcio Mohamed Morsi morreu ontem, aos 67 anos, depois de ser vítima de um mal-estar no tribunal. Segundo testemunhas, Morsi falou diante do juiz por 20 minutos e desmaiou. Ele chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu.
Membro do movimento islâmico Irmandade Muçulmana, Morsi se tornou, em 2012, o primeiro presidente eleito da história do Egito. Ele chegou ao poder um ano depois da Revolução do Nilo, desencadeada pela Primavera Árabe, que provocou a queda do ex-presidente Hosni Moubarak. Ele foi derrubado pelas Forças Armadas do país em julho de 2013, depois de uma série de manifestações populares. Com sua saída, o marechal Abdel Fattah el-Sissi, seu ex-ministro da Defesa, tornou-se presidente do país.
Desde que chegou ao poder, El-Sissi conduziu uma repressão contra a oposição islâmica. Os anos que se seguiram ao golpe do Exército no Egito registraram uma série de ataques contra forças de segurança do governo, com centenas de policiais e militares mortos. Ocorreu também uma insurgência jihadista, principalmente no Norte do Sinai.
Morsi cumpria pena por ter ordenado a morte de manifestantes em 2012 e por espionagem a favor do Catar, com quem teria compartilhado diversos documentos confidenciais. Ontem, ele compareceria a uma outra audiência por conta de contatos suspeitos com o grupo palestino Hamas.
O chefe de Estado turco, Recep Tayyp Erdogan, um dos principais aliados de Morsi, fez referências positivas ao ex-presidente, chamando-o de "mártir". As relações entre a Turquia e o Egito são praticamente inexistentes desde a sua destituição. "Como vocês sabem, o tirano El-Sissi tomou o poder no Egito acabando com a democracia de uma só vez, executando cerca de 50 egípcios. Ainda assim, o Ocidente continua em silêncio", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia