Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de junho de 2019.
Dia Mundial do Doador de Sangue.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Venezuela

Alterada em 14/06 às 15h50min

Bachelet vai visitar Venezuela e se reunir com Maduro e Guaidó

Alta comissária da ONU também se encontrará com vítimas de abusos e violações dos direitos humanos

Alta comissária da ONU também se encontrará com vítimas de abusos e violações dos direitos humanos


PABLO VERA LISPERGUER/AFP/JC
Estadão Conteúdo
A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, vai visitar a Venezuela entre 19 a 21 de junho, onde se reunirá com o presidente Nicolás Maduro e com autoproclamado presidente interino do país, o líder opositor Juan Guaidó.
Os assessores de Bachelet afirmaram nesta sexta-feira (14), que a alta comissária também vai se encontrar com "vítimas de abusos e de violações dos direitos humanos, e com seus parentes".
O Comissariado também informou que ela vai e reunir com vários ministros e altos funcionários do governo chavista, e manterá conversações com o presidente do Supremo Tribunal de Justiça, o Procurador Geral da República e o Procurador de Justiça, além de integrantes da oposição.
Uma equipe de assessores esteve no país há dois meses e realizou reuniões com líderes da sociedade civil, representantes da oposição e do partido no poder em preparação para a visita. "Temos que ir de forma neutra para conversar com todas as partes, não fazer parte de nenhuma estratégia", declarou o Alto Comissário na época.
Em setembro de 2018, o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas aprovou uma resolução solicitando que o Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos preparasse um novo relatório "abrangente" sobre a situação dos direitos humanos e que fosse apresentado ao Conselho. Além disso, pediu ao governo venezuelano que colaborasse com o Escritório de Direitos Humanos e com o restante dos mecanismos do Conselho.
O Escritório de Direitos Humanos já preparou relatórios sobre as violações cometidas na Venezuela nos últimos dois anos, mas estes não puderam ser apresentados ao Conselho para serem debatidos, uma vez que não foram solicitados pela agência. O governo da Venezuela não concedeu ao Escritório acesso ao país, apesar de repetidos pedidos.
Bachelet esclareceu em abril passado que seu escritório não conseguirá resolver os problemas humanitários do país, já que não está encarregado de distribuir ajuda nem de políticos, para os quais são necessárias negociações entre as partes.
CORRIGIR